A eficiência da bicicleta como meio de transporte


(João Almeida) #1

Na minha opinião, há 3 vertentes de eficiência na utilização da bicicleta.

Eficiência energética:
image

Eficiência espacial:

Eficiência temporal:
image


(Aónio Eliphis) #2

Ainda te falta a capacidade de corredor


(João Almeida) #3

Eu diria que isso resulta de uma combinação entre a eficiência espacial e temporal e mesmo estas duas têm dependências entre si.


(Aónio Eliphis) #4

Não creio. A eficiência temporal, como a apresentas, deve-se à enorme porosidade urbana para a bicicleta. Ou seja, a combinatória de possíveis caminhos para a bicicleta, é muito maior.

Está de facto sim relacionado com a eficiência espacial. Mas esta não tem em conta a velocidade. E a capacidade de corredor tem.


(João Almeida) #5

Mas a eficiência temporal também se baseia na velocidade, só que num contexto mais real de viagens porta-a-porta, em que não é possível ter corredores exclusivos que liguem todos os edifícios ou sítios. E em que por exemplo os transportes coletivos têm paragens, e por isso aceleram, desaceleram, etc., etc.


(Aónio Eliphis) #6

Exato, por isso é que são conceitos bem diferentes. A eficiência temporal tem em conta o meio e a malha urbana, o tempo de chegar ao local, a facilidade porta-a-porta, etc. Repara que no comboio a ordenada na origem é logo 25 minutos.

A capacidade de corredor tem em conta apenas a via, ou seja, quantas pessoas conseguem atravessar a via com uma determinada largura. Pensa na capacidade de corredor como duas margens de um rio e uma ponte de largura fixa a ligá-las. Qual o modo que te permite atravessar mais pessoas pela ponte de uma margem para a outra no mesmo espaço de tempo?


(Aónio Eliphis) #7

Btw, eu falei com o professor universitário inglês que apresentou esses dados para a eficiência energética e esses dados têm mais de 20 anos e baseiam-se apenas no Reino Unido. Têm por exemplo um erro grosseiro na comparação entre comboio a diesel e elétrico.


(Aónio Eliphis) #8

Dados atualizados


(João Almeida) #9

Estou bastante surpreendido com o desempenho do carro eléctrico face ao autocarro (suponho que movido a gasóleo ou gasolina), ao metro e ao eléctrico. Estes dados assumem a ocupação média verificada nos diversos meios de transporte (p.e. 1,2 pessoas por carro) ou a ocupação máxima (p.e. 5 pessoas por carro)?


(Three) #10

Falta nessa análise a autonomia dos meios de locomoção e o tempo de percurso. Um transporte extremamente eficiente pode não ter aplicabilidade se os tempos de percurso forem exageradamente longos.


(João Almeida) #11

O tempo de percurso está no terceiro gráfico, mas só vai até aos 8 km.


(Aónio Eliphis) #12

Boas João.

Todas as premissas estão baseadas nesta tabela

Para o carro foi considerado 1,2 passageiros por veículo e para o autocarro 11 passageiros, que é a média da Carris. No Reino Unido a média é 9.


(Three) #13

A explicação é simples, 8 km é a distância máxima típica que ciclistas “normais” percorrem.

Também acho piada mostrarem agora o Velomobie. Quando o coloquei há uns meses aqui gozaram comigo, mas pronto!


(João Almeida) #14

Podes explicar melhor esses gráficos?


(Three) #15

São relativos aos percursos dos utilizadores de bicicletas nos seus percursos diários com bicicletas alugadas. O primeiro gráfico mostra a direcção geográfica do percurso e o segundo a distância percorrida. As duas linhas mostram diferentes regimes de aluguer.


(José Miguel Ramos Modesto) #16

Senão trollasses tanto como muitas vezes trollas, talvez as pessoas tivessem levado mais a sério quando falaste no velomobile.

Eu nunca experimentei andar nessa coisa. Acrdito que sim, que seja mais eficiente em termos energéticos por causa da sua aerodinâmica… mas parece-me um veículo muito pouco prático para o dia-a-dia e pouco flexível.


(Aónio Eliphis) #17

Claro! Ciclismo urbano por norma, até só se considera até um máximo de 5 km. A partir daí, por norma combina-se com outros transportes.


(José Miguel Ramos Modesto) #18

Eu faço 24 Km (12 para cada lado) todos os dias, mas porque tenho balneário no local de trabalho… caso contrário usava o comboio, naturalmente.


(Aónio Eliphis) #19

Eu não critico quem faz mais de 5 km :slight_smile:
Disse apenas que já não se considera ciclismo urbano. Tu já entras no domínio do atleta :slight_smile:


(Three) #20

Essa “coisa” é apenas um tadpole trike com cobertura. Mentes demasiado fechadas não conseguem atingir alternativas fora do comum e por isso rejeitam-nas imediatamente.

Tadpole trike são veiculos a pedais mais eficientes e confortáveis para o utilizador. Resolvem o problema da falta de equilíbrio para quem não o tem, permitem deslocações mais longas com menos impactos nas coluna e em piso plano permitem maiores velocidades. O problema é terem feito ciclovias destinadas apenas a um tipo de veiculo a pedais excluindo todos os outros, A ditadura da bi-cicletas.