A EMEL e as bicicletas partilhadas de Lisboa

emel
bike_sharing
lisboa
Etiquetas: #<Tag:0x00007f315f58a100> #<Tag:0x00007f315f589ed0> #<Tag:0x00007f315f589d18>

(Pedro Sanches) #162

Já experimentaste criar um cartão virtual com o MBWay (ou MBNet)? É o que uso e não tive problemas.


(Paulo Jorge Rainho Goncalves) #163

Atenção que o depósito não é a mesma coisa que saldo.
O depósito é uma espécie de caução. Que inicialmente eles têm como 50€ mas que agora estão com a tal promoção dos 5€.

Depois é preciso carregar dinheiro para pagar as viagens. A caução fica sempre com eles até se fazer o pedido de devolução da caução e a partir daí não se pode usar mais o serviço.


(Daniel Garcia) #164

(Aónio Lourenço) #165

a maior parte dessas viagens, a @temospena acho que tem dados sobre isso, são viagens de transportes públicos que são substituídas por viagens de bicicleta.


(Pedro Nóbrega Da Costa) #166

exato…

era giro ter se uma amostra na Av Republica a perceber quantos daqueles andavam de carro antes…

diria que 80% daquilo é pessoal que andava de TPs ou a pé e agora tem a bicicleta como alternativa.

ate começarmos a roubar pessoas aos automoveis ainda a massa critica de utilizadores, infraestrutura e rede das gira tem de crescer um bocado


(Miguel Baptista) #167

Só ha uma forma de roubar pessoas aos automóveis. É roubar espaço ao automóvel dentro da cidade.
Enquanto a CML não meter isso na cabeça, não vai acontecer.


(Aónio Lourenço) #168

O perverso é que os transportes públicos são operados por empresas públicas. Ou seja, temos um sistema público de bicicletas partilhadas que está a lesar as receitas das empresas públicas de transporte. Surreal.


(Aónio Lourenço) #169

Concordo em absoluto. Mas o sistema GIRA, contribui muito pouco para isso.


(Manuel Reis Jorge) #170

Agora , até há estafetas do Uber Eats a utilizar as Giras…


(Pedro Sequeira) #171

e o metro rouba aos autocarros, e vice versa

e o autocarro X rouba a outros autocarros certamente

é o canibalismo inevitável


(Aónio Lourenço) #172

Aquilo que apontadas como positivo é de facto uma perversão. Temos todos os contribuintes a ajudar às receitas da Uber, uma empresa californiana com sede fiscal na Holanda. A Uber não tem dinheiro para bicicletas? Para quê se o estado paga!


(Pedro Nóbrega Da Costa) #173

acho que estas a confundir o modelo de negocio da uber

a uber, (seja uber passageiros seja uber eats) nao possui carros nem motas nem bicicletas.

no caso do eats, as motas sao dos estafetas, nao da uber, que tal como no uber passageiros, é apenas um intermedeario, neste caso entre os clientes, os restaurantes e os estafetas

neste caso, quanto muito temos os contribuintes a ajudar aquele estafeta em especifico.
O estafeta por sua vez é que “ajuda” a uber, que lhe cobra 10% sobre os ganhos.

mas isso nao é o mesmo que ter todos os contribuintes que “ajudam” qualquer pessoa que use as Gira?

neste caso o rapaz está a usar a gira para fazer dinheiro, mas nao sei se isso é contra algum regulamento.
claro que se agora todas as bikes ficassem ocupadas por estafetas era chato, mas ate esse problema existir nao me parece um problema. é mais um ciclista, e na fase em que estamos isso ainda é positivo :slight_smile:

ate porque honestamente, se o rapaz quiser trabalhar mais a serio para a eats vai acabar por comprar a sua propria bicicleta/scooter para nao estar limitado às restrições da Gira, que para trabalhar serao chatas e acabam por limitar o dinheiro que ele consegue fazer


(Aónio Lourenço) #174

eu sei Pedro! :slight_smile: Já escrevi muito sobre isso.

Em qualquer caso, o estado está, indiretamente através da carga fiscal, a ajudar nas receitas da uber. Os estafetas que comprem a sua bicicleta! É assim que é aqui na Holanda com um serviço muito semelhante!


(Bruno Barão) #175

Mas o que alguns estafetas da Uber Eats estão a fazer não é legal, tal como pode ser lido nos termos e condições do serviço (https://www.gira-bicicletasdelisboa.pt/termos_condicoes.pdf)

Secção 4, ponto t:
termos_condicoes_pdf


(FFC) #176

Sim, já tentei através da app do MBWay e através do MBNet. Estou nisto há um mês e ainda não conseguiram resolver o problema. Já entrei em contacto com o banco e com a Sibs/MBWay e disseram a mesma coisa: “Que não se verifica qualquer anomalia que justifique a recusa do comerciante, uma vez que nem sequer se registam transacções recusadas.” Sugeriram-me que contacta-se novamente o comerciante. Hoje recebi uma mensagem da Obike a informar-me que o problema já estava resolvido, mas quando tentei efectuar o pagamento deu outra vez o mesmo erro.


(FFC) #177

Sim, eu tenho conhecimento disso Paulo. O problema é que nem o depósito consigo fazer. Já enviei outra mensagem à Obike e estou à espera de uma resposta.


(Cláudio Coelho) #178

Bom dia a todos!

Já repararam que a rede foi alargarda no marquês de pombal e av. da liberdade? Ontem passei por lá e estavam a colocar as bicicletas e hoje na app as estações já estão activas.
Só ainda não percebi onde está a ciclovia na Av. da Liberdade. :smiley:


(Herculano Rebordao) #179

Não há ciclovia nas laterais. É uma via partilhada.


(Cláudio Coelho) #180

Pois… ontem fui pelas laterais da av. da liberdade para tentar perceber se havia ciclovia mas foi para esquecer. O piso está uma lástima e aquilo para mim é confuso. Da próxima vez vou pela faixa BUS.


(Pedro Sanches) #181

@ClaudioFCoelho, a subir é sempre a direito, a descer também com excepção do último quarteirão antes de chegar ao Hard Rock onde tens de passar para o outro lado. O piso é mau mas é muito mais tranquilo do que circular pela autoestrada a meio.