Acidente ou sinistro?

Porque devemos parar de usar a palavra “acidente” e trocá-la por “sinistro”?
No Lisboa para Pessoas, do @mruiandre

Em 2015 também a ACA-M falava deste assunto.
Comunicado: Dia Mundial em Memória das Vítimas da Estrada 2015: Um desastre não é um acidente

10 Likes

Eu diria para adoptar o modelo Australiano, que mudou de “Acidente” para “Incidente”. Porque efectivamente, nem sempre são acidentes que acontecem, mas tambem não é nada de “Sinistro”, e “Incidente” é mais neutro no que toca a emoções e medo.

sinistro na medida que por vezes há vítimas

https://delpt.org/sinistro

acidente dá sempre a noção de “imprevisto”, quando na realidade a maioria pode ser previsível, se consideradas e adotadas medidas de segurança. Os acidentes não se choram, evitam-se

https://delpt.org/acidente

4 Likes

Para mim, as palavras mais adequadas seriam EMBATE ou COLISÃO.

Incidente ou Acidente estão quase ao mesmo nível e ainda por cima são quase homófonas, o que pode levar a uma troca no passa-palavra. E mesmo em si, os significados das duas não são muitio diferentes, na medida em que, implica uma certa desresponsabilização.

Um acidente é alguém nascer com um tumor ou as cheias de 1967, que obviamente não são consequência directa de acção por seres humanos; quando há “toques” na estrada, houve CLARAMENTE intervenção do Homem, logo não são acidentes.

Lembrei-me agora que quando são vários carros seguidos, a comunicação social costuma referir CHOQUE EM CADEIA.

1 Like

Eu acho preferível usar a palavra «desastre rodoviário» como era usada há décadas atrás, nomeadamente se houver feridos ou mortos

3 Likes

Também concordo com o utilizar desastre ou sinistro e eu já o fazia (as seguradoras idem… porque será?).
Acidente tem logo um ponto de vista que isenta responsabilidades ainda sequer antes de haver investigações/verificações/averiguações.
E creio que servem para todos (?) os tipos, como colisões, despistes, atropelamentos, etc.

1 Like

concordo que sim, física e tecnicamente são as palavras mais correctas. Mas repara que quando há vítimas podes e deves usar a palavra sinistro. Não vás confundir com colisão entre duas partículas, que são por norma completamente inofensivas.

4 Likes

Muito obrigado pela partilha, Inês!

Enquanto isto, no Brasil:


« s termos técnicos usados na preparação e execução de pesquisas e na elaboração de relatórios estatísticos e operacionais relativos a incidentes de trânsito foram redefinidos pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Nessa mudança, a norma NBR 10697/2018 foi revista e corrige a expressão “acidente de trânsito”, substituída por “sinistro de trânsito”, além de suprimir o entendimento de sinistro “não premeditado”.

A adoção do termo sinistro e a requalificação dessa norma são bandeiras da Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (Abramet), que celebrou a mudança como uma vitória importante para as ações e políticas voltadas à preservação da vida no trânsito.

“Há um bom tempo a Abramet vem debatendo isso, junto a outras entidades. Nosso Congresso, antigamente chamado de Congresso Brasileiro de Medicina e Acidente de Tráfego, passou a ser chamado de Congresso Brasileiro de Medicina de Tráfego a partir de 2017. Isso foi justamente para discutir e destacar que os acidentes de trânsito, na sua maioria, não são acidentais, do acaso, mas sim provocados. São passíveis de prevenção”, explica Antonio Meira Júnior, presidente da entidade.

Segundo o diretor da Abramet José Montal o termo acidente traz a conotação de algo imprevisível e incontrolável, sem nenhum nexo de causalidade, o que contraria o conhecimento acumulado sobre a matéria. “A Medicina do Tráfego foi gerada nesse contexto, o que leva à consideração de que insistir com o uso daquele termo depõe contra a essência desta especialidade médica. A ABNT demonstrou sensibilidade e respeito à ciência, dando uma contribuição muito importante para a redução da violência no trânsito”, acrescentou.

Mais de 90% dos acidentes de trânsito registrados no Brasil têm como causa o fator humano, destaca o diretor científico da Abramet, Flavio Adura: “Os dados mostram que não acontecem por acaso, por isso o termo acidente deve ser evitado. Conhecemos as causas e a maioria é passível de prevenção, como obedecer às normas de trânsito e álcool zero para uma dirigibilidade segura”, explica.

Fonte @portalmobilize

@abrametoficial

@abnt_oficial»

7 Likes

Quando é que a Mubi emite um comunicado à comunicação social nesse sentido?

2 Likes

Concordo, seria muito importante! Consegues começar um draft @Aonio_Lourenco ?

1 Like

Olá Inês, agradeço o repto mas sinceramente o meu tempo livre escasseia, lamento mas não posso. Já tenho a minha quota de serviço público cumprida :wink:

Já? Mas que idade é que tu tens? :smiley:
Okok, obrigada.