Auto-estradas Nacionais e Portagens


(Three) #21

Sim, chamaram-lhe outro nome com os mesmo valores, areia para os olhos. Não existe na na maior parte dos países da Europa como Espanha, na Alemanha ou na Suécia por exemplo. Por cá ainda colocam o IVA em cima o que constitui um esbulho.

Vários pontos aqui:

  • É obrigação do governo de um país conceber e manter vias de comunicação para coesão territorial par ao qual deverá usar verbas do orçamento de estado.
  • A utilização da rodovia para fins comerciais não é discriminada, e sabendo que uma veículo TIR com 35 ton degrada a via numa proporção de 100x mais do que uma viatura ligeira, deveria-se então fazer pagar o correspondente pelos proprietários de veículos de mercadorias.
  • É sabido que o somatório de todas essas taxas constituem 20% da receita fiscal, mas não se gastam 20% dessa receita na manutenção das vias.

Portanto convém estar de posse de todos os elementos antes de sugerir mais aumentos de impostos


(Aónio Eliphis) #22

Mais uma vez @Three mentes, e sem pudor, quando referes que em Espanha não se paga ISV.

Comprar y mantener un coche es caro, a los gastos de gasolina y mantenimiento hay que sumar los impuestos relacionados con el vehículo, empezando por el Impuesto de Matriculación al adquirirlo y el impuesto de circulación que pagaremos todos los años, pero no son los únicos.

Impuesto de Matriculación. Como su propio nombre indica este tributo grava la matriculación del vehículo y se paga una sola vez, a la primera matriculación en España. Pero no todos los vehículos deben pagar el impuesto, hay algunos que están exentos o sujetos a reducciones, tal u como muestra la siguiente table:

Todos os países da Europa que conheço têm ISV ou IA, ou outro nome qualquer. No caso de Espanha é o Impuesto de Matriculación.

Claro, mas será necessário ter AEs com três vias em cada sentido, para cada capital de distrito? A quem servem AEs sobredimensionadas? O país, ou apenas os automobilistas, para assim evitar o congestionamento?

Como bem deves saber, os pesados pagam portagens e IUC bem superiores aos ligeiros, por isso esse argumento não colhe.

Tens fontes para essa afirmação? Não basta dizer “é sabido”! É sabido por quem? Por ti? Fontes?


(Three) #23

Deve ser por isso que um utilitário que custa 16 000 € cá custa 10 000 € em Espanha, porque o imposto deles é equivalente …

Aqui está a tabela, até 120 g/km estás isento

imagem

Os pesados não pagam, nem de longe, um IUC proporcional ao desgaste provocado.


(Joao Santos) #24

“Não avançou por questões de privacidade.”

Parece-me que isso terá sido mais uma desculpa do que uma razão válida. Podem usar-se sistemas de anonimização sofisticados que apenas podem ser acedidos por ordem judicial (o que até traria vantagens). Existem outras matérias mais sensíveis, onde a questão da privacidade é mais delicada, e que são resolvidas e ultrapassadas. Haja vontade!

Ultrapassado este problema, o céu é o limite. Os carros (todos os carros praticamente já têm GPS) poderiam ter um limitador de velocidade que actuaria em função do limite de velocidade em que se encontrassem. Seria, pura e simplesmente, impossível ultrapassar os limites de velocidade; e até as zonas de 30 km/h seriam respeitadas.

Claro que este sistema não contribuiria para a venda de automóveis de grande potência…


(Alexandre Climber) #25

As bicicletas electricas, cortam a velocidade aos 25km/h. E não há volta a dar.


(Three) #26

Não, continuas a precisar de potência para chegar aos limites em subidas de 10% por exemplo


(Joao Santos) #27

O que eu quis dizer é que não haveria grande interesse em comprar carros com grandes potências se não conseguissem andar a mais de 50 km/h nas localidades ou de 120 km/h nas auto-estradas. Para isso, qualquer carro serve. Até poderiam ser vendidos, mas as quebras nas vendas desciam a pique.


(Three) #28

Portanto nos EUA onde o controlo de velocidade é efectivo e musculado não se vendem carros com motores potentes … ???


(Aónio Eliphis) #29

Começaste por dizer que não havia ISV/IA em Espanha, para agora me vires dizer que tem valores mais baixos. Nunca discuti valores, disse apenas que existia um congénere ao IA em Espanha, como em todos os países da Europa. Não vou agora discutir valores, porque simplesmente não os conheço.

Já agora, sabes qual o país do mundo onde se paga menos impostos sobre o automóvel?
Venezuela, apenas uma curiosidade!

Em temos enviei um ofício ao presidente do IMTT exatamente colocando essas questões.

Atenção em qualquer caso que pode haver mesmo problemas de privacidade. Nunca sabemos como os dados são de facto tratados. Claro que hoje, com as apps da Google e da facebook em cada smartphone, parece que poucos ligam a isso, mas o tema muda de figura quando é o próprio estado a ter esses dados.

Vendem, talvez para as ultrapassagens e arranques. Em qualquer caso a sociedade de consumo americana, não é propriamente conhecida pela sua racionalidade. Lembro-me dos primeiros carros que consumiam 30 litros aos 100km.


(Joao Santos) #30

A questão da limitação da velocidade é mesmo um lobbie, e dos grandes, do sector automóvel. A limitação para os 120 km/h para veículos portugueses não me parece muito exequível ou mesmo útil. Alguém poderá dizer que vai frequentemente ao estrangeiro, para países com limites diferentes, o que implicaria estar a programar/desprogramar a centralina e, mais importante, não limitaria a velocidade dentro das localidades para zonas de 20, 30, 40, 50, 60 ou 70 km/h. Nem fora das localidades para 90 km/h. Etc. Portanto, em termos práticos, de pouco adiantaria. A questão da protecção de dados, seria algo que talvez fosse fácil de salvaguardar no caso da localização por GPS e limitação em função da localização, assim como a transição entre zonas para evitar cortes repentinos na potência do motor, etc. Isso sim, mexeria com os interesses instalados da industria automóvel e respectivos lobbies, mas talvez fosse a solução para, pelo menos, algumas centenas de mortos/ano em Portugal vítimas de acidentes rodoviários. Portugal não tem tomates, quer a nível político quer a nível cívico, e comemos o que nos enfiam pela boca abaixo sem pestanejar. Até nos conseguiram pôr a escrever com a ortografia brasileira (mais coisa menos coisa) e qualquer dia, a falar também. É triste, mas é uma realidade. Nem uma coisa simples, como autorizar a passagem de um traço contínuo para ultrapassar uma bicicleta, à semelhança de Espanha, conseguimos fazer. Às vezes dá vontade de emigrar. Irra!


(Aónio Eliphis) #31

Verdade! Mas há todavia muita sinistralidade por excesso de velocidade em AE e estradas nacionais, e nesses casos as velocidades em causa são sempre acima de 120km/h.

Claro que seria a solução ideal, e não só, mas também para fiscalidade. O IUC poderia ser muito mais refinado em função do local, hora, trajeto, etc. para que pessoas que nunca usassem o carro nem sequer pagassem IUC, por exemplo.

Mas neste caso, julgo que seria fácil deturpar a centralina. Basta veres que há já por aí no mercado negro uma série de pessoal que muda a centralina, para, poluindo muito mais, dar mais potência ao motor.


(Joao Santos) #32

Deturpam a centralina porque é possível deturpar a centralina. Decerto que a tecnologia poderia arranjar uma forma de encriptação de dados de forma a não ser possível fazer “manigâncias”. Além de que. com a legislação apropriada, a multa a aplicar em caso de fraude (ou mesmo pena de prisão), poderia ter um efeito dissuasor adequado. Este esquema, possível é, mas os grupos de pressão (ACP, indústria, etc.) nunca deixariam legislar nesse sentido.


(Three) #33

Os modelos mais recentes não permitem alterações do ECU sem ligação validada no servidor central da marca, portanto a tecnologia está lá e é do interesse da indústria restringir o acesso às configurações dos motores ao contrário do que queres fazer crer!


(Joao Santos) #34

Peço desculpa mas eu não quero fazer crer nada nem fui eu que mencionei o facto da centralina poder ser alterada.


(João Almeida) #35

(Aónio Eliphis) #36

Agora combina com isto:


(João Almeida) #37

(Three) #38

“”""
The reason that electrical power and air travel don’t fail every time they get crowded is that we raise prices to manage demand. If things cost more, people use less of them. We all accept that airline tickets are more expensive during the holidays. And yet we miss that this very same, simple system of pricing could solve our congestion problem.
“”"

Tentar aplicar as regras de mercado a produtos essenciais é no mínimo hipócrita. Neste momento os combustíveis são como o pão, se custar mais, cidadãos serão capazes de matar para obter pão ou combustíveis. É uma questão de sobrevivência.

Quando a economia liberal exige disponibilidade e mobilidade e se instala em locais sem transportes públicos não resta outra hipótese ao empregado senão ir de carro senão fica no desemprego e não sobrevive.

Infelizmente esses economistas de cartilha não conseguem perceber essa realidade, em geral porque vivem bem no centro da cidade e ignoram por completo a realidade de quem não tem posses para lá se instalar.


(Aónio Eliphis) #39

@Three também podias viver no centro da cidade, nao tinhas era direito a tantos metros quadrados. Não tem mal nenhum viver no extremo dos subúrbios para deter mais metros quadrados, não esperes é que os demais cidadãos tenham de suster essa opção individual.

E desde quando combustível líquido é um bem fundamental equiparado ao pão?


(Three) #40

Pagavas tu o custo disso? Não pareces fazer ideia da diferença de preço da habitação.

Pelo contrário, sou eu que pago pelas comodidades de quem vive no centro da capital. Esses “demais” cidadãos como lhes chamas são uma minoria privilegiada !

A partir do momento em que dependes dele para semear, lavrar, colher, produzir fertilizantes, conservar e distribuir alimentos ao consumidor, ou achas que a sociedade actual vive de uma economia agrária medieval ? Já para não falar de tudo resto, construção, medicamentos, etc.