Beneficiar os sistemas de transportes públicos na zona metropolitana de Lisboa, através de portagens urbanas


(Rui Fonseca) #42

Não é precisamente isso que os carros fazem? Se não tiveres um carro recente nem entras no centro de Lisboa. Quem não tem carro anda de transportes “que se lixa”.

O facto é não seria possível toda a gente andar de carro em Lisboa. É um meio de locomoção que requer muito espaço por passageiro e esse espaço simplesmente não existe em cidades como Lisboa.


(Three) #43

Isso é simplesmente mentira!

Sempre fácil criticar o que não se conhece. Tenta apanhar um comboio na linha do Oeste e depois falamos!

Certo, mas pergunto o que existe em Lisboa que faça como que toda a gente tenha de ir para lá? Se calhar a solução passa por retirar de Lisboa aquilo que atrai pessoas!


(Aónio Eliphis) #44

A sério? Usar carro é indispensável à sobrevivência? Sabes a diferença entre vivência e sobrevivência? Sintomático!


(Aónio Eliphis) #45

A propósito dos passes


(Three) #46

Ainda não percebeste que nem todos vivem nas cidades com todos os serviços à porta ? Deixa de olhar para o umbigo! Sobrevivência é viver em Manteigas e ter de percorrer 40Km para chegar ao hospital da Guarda. Ou queres fazê-lo de bicicleta? Ou num dos 2 únicos autocarros por dia?

Manteigas – Guarda
Partida Chegada
07:00 horas 08:30 horas
13:00 horas 14:10 horas
Guarda – Manteigas
Partida Chegada
11:30 horas 12:50 horas
17:00 horas 18:30 horas

Sintomático são estes betinhos da cidade tentarem colocar as zonas rurais num modo de vida pré-histórico!

Pois, a discriminação de cidadãos é cada vez mais uma realidade. Agora existem os cidadãos metropolitanos e os outros que pagam os serviços prestados aos primeiros e ainda são massacrados por usarem o automóvel! Qual a tua categoria ?


(Aónio Eliphis) #47

Eu falei de sobrevivência! Confundires sobrevivência com vivência é sintomático! Na civilização as pessoas, perante urgências, vão para o hospital de ambulância!


(Three) #48

Só vais ao hospital quando tens uma urgência ?
Sintomático é confundires vivência com estado vegetativo.


(Aónio Eliphis) #49

Os da Lapa pagam IMI em Lisboa, os da Amadora na Amadora. Se fores poluir de carro para a Lapa, afectas essencialmente os residentes da Lapa, e digo Lapa como poderia dizer Chelas. A alternativa é fechares a cidade inteira ao trânsito, porque não podes colocar portagens à saída de cada garagem. Se vires como foi feito em Londres ou Estocolmo, foi exatamente assim, e são países civilizados. Esqueces-te ainda que ter e usar carro não é um bem constitucionalmente consagrado, e por isso o estado não tem que ter preocupações sociais a propósito.


(Aónio Eliphis) #50

Se não é urgente, qual é a necessidade imperativa do carro? Mais uma vez não uses a palavra sobrevivência. Espero que saibas o significado. O ponto é apenas esse!


(Three) #51

Não vale a pena, estás enfiado no tua toca urbana e não consegues ver a realidade fora dele. Existem mais realidade foras das cidades e tu estás-te simplesmente nas tintas para as pessoas que lá vivem, por isso estamos conversados!


(Aónio Eliphis) #52

Percebo perfeitamente que vivas fora dos meios urbanos, e compreendo perfeitamente que precises de carro para o teu quotidiano. Conheço bem realidade. Mais um vez a minha objeção é científica: usaste a palavra sobrevivência e ninguém precisa do carro para sobreviver.


(Three) #53

Depende do local onde vives e da forma como estás inserido na sociedade!


(Rui Martins) #54

Esqueci-me onde?
Onde defendi o uso indiscriminado do carro?
Nenhuma consideração de ordem prática substitui a avaliação da equidade de medidas.
O gajo da Lapa como paga IMI em Lisboa adquire o direito de poluir toda a cidade mas o da Amadora não…


(Aónio Eliphis) #55

O da Amadora continua com esse direito, tem apenas de pagar portagem. Os direitos nas economias de mercado, quando existem externalidades, não são on/off. As pessoas pagam (internalizam os custos) em função de uma série de critérios (fiscais, de residência, nível de poluição, etc.).


(João Almeida) #56

1973-1974


(Aónio Eliphis) #57

Excelente @jmpa, simplesmente excelente! Muito obrigado! Quem diria??? De 1973 Os nossos políticos são muito estúpidos mesmo, completamente idiotas, estes especialistas alertam para esta palhaçada desde 1973

Destaco este artigo apresentado por Luís Filipe Costa


(Luís L Belard) #58

Já que estamos em ‘maré’ de RTP, podem ver no Play da RTP 2 o programa "página 2 " de hoje, dia 14 de Abril (creio que é o nº 30), sobre Mobilidade Urbana.
Não sendo surpresa para (quase) ninguém, logo na abertura se diz que Portugal é, na UE, o 2º país que mais utiliza o automóvel.


(João Almeida) #59

Obrigado, é a Paula Teles.

https://www.rtp.pt/play/p5343/pagina-2


(Manuel Reis Jorge) #60

Eu vi um bocado da entrevista. Muito bom senso e visão da situação.
O contraste dos anos anteriores onde o veículo privado, pensava se, seria a solução para a mobilidade urbana. Portanto temos agora cidades onde no espaço urbano, tudo foi contruido para e à volta do veículo automóvel.
Quando já se sabia que não era a solução, continuou se ainda a favorecer este.


(Manuel Reis Jorge) #61

Vamos ver quanto tempo dura a greve, neste mundo viciado no petróleo: aproveitar para “descarbonar” a sociedade.