Bicicleta, o que precisa de saber


(Aónio Eliphis) #1

Questiono-me do interesse dos agiotas pelos ciclistas

https://www.contasconnosco.pt/artigo/ciclistas-7-coisas-que-tem-de-saber


(Aónio Eliphis) #2

Em qualquer caso é informação útil :slight_smile:

Embora errada em alguns pontos

  1. Documentos

O ciclista tem de andar com um cartão de identificação pessoal, que pode ser o cartão de cidadão ou o passaporte. Se for abordado pelas autoridades e não tiver um destes documentos consigo, sujeita-se a uma coima que pode ir dos 60 euros aos 300 euros. No entanto, o valor pode descer para metade se apresentar a sua identificação pessoal às autoridades nos oito dias seguintes.

  1. Capacete

Quem anda de bicicleta não está obrigado a usar capacete, apesar de ser recomendável, por questões de segurança. Essa obrigação toca apenas aos condutores de velocípedes e trotinetas e aos condutores e passageiros de ciclomotores, motociclos, triciclos e quadriciclos. Além do capacete, os ciclista devem usar óculos, como proteção contra pós, e luvas, para proteger as mãos em caso de queda acidental.

  1. Matrícula

As bicicletas não precisam de ter matrícula, nem sequer as bicicletas elétricas. A matrícula só é obrigatória nos veículos a motor e nos reboques.

  1. Seguro

Só os veículos ou bicicletas a motor são obrigados a ter seguro. As bicicletas não. É certo que existem seguros para bicicletas - que servem para a cobertura de acidentes pessoais, de responsabilidade civil, de assistência em viagem e de transporte - mas não são obrigatórios.

  1. Carta ou licença

Também não é necessária qualquer carta ou licença para andar de bicicleta. No entanto, é importante que qualquer pessoa que ande de bicicleta conheça as regras de circulação dos velocípedes e os principais sinais de trânsito, como forma de salvaguardar-se a si e aos outros, e evitar ser multado.

  1. STOP e sinal vermelho

São ambos para respeitar, por questões de segurança e para evitar ser multado. Se não parar no vermelho, arrisca-se a uma coima que varia entre 74 euros e 374 euros. E se for apanhado a desrespeitar o sinal de STOP, a multa pode ir de 99 euros até 498 euros.

  1. Algumas normas de segurança

Circule pelo lado direito
Não circule em contramão
Não circule nos passeios, reservados aos peões
Não passe muito perto dos carros
Quando segue com outros ciclistas, façam-no preferencialmente em fila indiana ou, quando muito, aos pares.
Estas são algumas normas de segurança para quem anda sobre duas rodas. É também importante que os ciclistas tenham alguns cuidado de forma a reforçar a visibilidade perante os outros condutores: usar colete retrorrefletor, equipar a bicicleta com iluminação, colocar luzes brancas na parte da frente e vermelhas na traseira da bicicleta.


(Three) #3

Relativamente a isto falta normalização. Os únicos elementos normalizados são os reflectores das rodas porque relativamente à iluminação traseiro e frontal reina o caos. Com a introdução da iluminação LED surgiram verdadeiros holofotes frontais para bicicletas capazes de cegar automobilistas através dos espelhos. Se acham que ficam mais seguros com luzes dessas desenganem-se.


(José Miguel Ramos Modesto) #4

Não falta normalização. Há um decreto-lei qualquer que regula a altura ao solo.

Mas já que falas nisso, eu quando conduzo de noite ando constantemente encadeado… tenho de virar sempre o espelho para cima. E guess what… nunca é por causa de ciclistas…
Querer comparar as luzes dos ciclistas com os médios de um automóvel que nos anda a cheirar o rabo… epa…


(Three) #5

E a intensidade e orientação do feixe?

Sim quero. Os médios de uma automóvel são muito mais controlados do que certos projectores LED usados de forma indiscriminada por várias ciclistas!


(José Miguel Ramos Modesto) #6

Então estás só a ser idiota… a maioria das luzes das bicicletas funcionam como luzes de presença…

Eu ando constantemente encadeado por médios de carros. Já por luzes de bicicleta, nunca fui!


(Three) #7

Idiota é a tua tia. Estás a insinuar que não sei distinguir uma luz de presença de um projector LED ?

Claro que não, se estás em cimas delas!


(Sérgio Loureiro) #8

Parece-me desproporcional! O sinal vermelho dá multa inferior ao sinal de Stop. Já agora, em Paris, nalguns cruzamentos, os semáforos são acompanhados dum sinal de cedência de passagem para bicicletas assim: https://www.bbc.com/news/magazine-33773868


(Three) #9

Qual a diferença? Os ciclistas Tugas não respeitam nenhum dos dois!


(José Miguel Ramos Modesto) #10

Oh génio, estou a falar de quando vou a conduzir um carro!!


(Sérgio Loureiro) #11

Os poucos ciclistas que tu conheces não são um dado estatístico válido!


(Three) #12

Com certeza que não, mas são suficientes para transmitir uma imagem negativa de toda a comunidade e geralmente isso leva à adopção de medidas mais restritivas!


(Alexandre Climber) #13

Tal e qual como acontece como os carros?


(Three) #14

Nos carros é pior. Os piores comportamentos que vês na estrada já se tornaram a regra e portanto representam a realidade estatística, infelizmente, tudo fruto da quase ausência de fiscalização!


(José Miguel Ramos Modesto) #15

Aleluia! Afinal de vez em quando escreves alguma coisa de jeito.

É que aqui ninguém é contra a fiscalização a ciclistas e a peões. As pessoas são contra é a dualidade de critérios! Porque ultimamente alguns elementos da PSP se têm lembrado de fiscalizar coisas somente quando andamos de bicicleta e continuarem a tapar os olhos quando vamos de carro.
A insegurança na estrada é uma coisa brutal, e ela é sentida de forma particularmente brutal quando vamos em cima de uma bicicleta, por isso é que é brutal que se sinta uma passividade tão grande para com tanta porcaria que acontece na estrada e… e… de vez em quando aparecem notícias referindo-se a ciclistas e a peões…


(Sérgio Loureiro) #16

Finalmente o clone do Carlos Barbosa do ACP escreveu qqr coisa que não é pejorativa para os ciclistas. Há fiscalização via radar à velocidade nas estradas, mas fiscalização ao CIVISMO, que é muito mais importante NÃO EXISTE.

Posso falar de uma situação que se passou comigo há pouco tempo. Estava a conduzir carro na rotunda do aeroporto e eram só carros sem prioridade a enfiarem-se à malucco para dentro da rotunda. Eu para não amassar o carro tinha que os deixar entrar. Fiquei entalado ao ponto de não poder mexer-me, e pensar “Se me desloco meio milílimetro estou queimado!” e os carros todos a apitar atrás de mim!

Escusado será dizer que foi em Dezembro e por volta das 19:00, uma altura em que há excesso de tráfego. Nenhum radar poderia pôr fim a uma situação assim. Já as autoridades humanas poderiam lá estar a vigiar em vez de estarem sentados no posto a jogar às cartas, como eu já testemunhei!