Boas práticas para a construção de ciclovias

São basicamente apenas quatro regras que devem ser observadas:

  1. Colocar ciclovias sempre a quotas diferentes da zona pedonal e com
    delimitação física desta; e sempre que possível à quota da rodovia.

  2. Obter espaço para a sua construção sempre à custa da remoção do espaço
    alocado ao automóvel e nunca do peão. Caso tal não seja (politicamente)
    possível, simplesmente não fazer NADA.

  3. Fazer ciclovias contínuas e sempre com um número de interseções igual
    ou menor que o trajeto equivalente de bicicleta pelo alcatrão/rodovia

  4. Fazer preferencialmente, sempre que possível, ciclovias
    unidirecionais, uma para cada sentido, do lado direito!

6 Likes

Fiquei com algumas dúvidas:

  • o texto ficou duplicado; foi lapso?

  • numa situação de ciclovia à direita, para virar à esquerda (exemplo, para uma rua perpendicular) como se procede?

Obrigado.

António

Há várias soluções:

No meu entender a melhor e que está a ser muito usada é a da rotunda

os ciclistas têm prioridade

ou pseudo-rotunda

Outra solução é alocares uma via no meu da rodovia para as bicicletas
poderem virar à esquerda

Mas a mais usada envolve dois semáforos, o que é injusto

2 Likes

Lede por favor

1 Like

Poderiam por favor indicar-me referências bibliográficas que consideram relevantes e que suportam estas (ou outras) práticas?

Obrigado.

1 Like

Segue o conselho do @Nuro_Carvalho, tens muito mais informação nas outras áreas do Fórum. De qualquer maneira, deixo aqui este link (tens vários pdfs do lado direito): https://ec.europa.eu/energy/intelligent/projects/en/projects/presto

2 Likes

Olha que giro, discordo de praticamente todas… Só concordo com a 3.ª.

Já vivi em Sevilha e achei as ciclovias de lá bem melhores que as de Lisboa, mas por muitos outros motivos.

A grande diferença que noto é que lá as ciclovias foram feitas propositadamente, enquanto que em Lisboa apenas se fazem oportunisticamente quando há obras. Basicamente lá pintaram faixas verdes no passeio e fizeram rampas nos lancis.

Por cá, temos tudo feito de raiz mas cheio de defeitos… portanto, baseado no que conheço de Sevilha, as minhas regras são:

  1. As faixas verdes devem ser continuas. Estas são especialmente importantes nos cruzamentos para alertar os condutores que aquela via é atravessada por uma ciclovia e assim tomarem mais atenção. Também não devem terminar no passeio onde atravessam peões, em vez disso deve haver passadeiras nas ciclovias.

  2. Não deve haver lancis, por mais baixos que sejam. Rampas, sempre.

  3. Colocar grades sempre que haja pontos sem visibilidade pelos quais poderia aparecer um peão. Por exemplo, a seguir às paragens de autocarros deve haver pelo menos 2 metros de grade para impedir que um peão atravesse a ciclovia saindo imediatamente de trás da paragem.

  4. Não deve haver postes junto à ciclovia, nem estas devem ter ângulos apertados e curvas desnecessárias.

2 Likes

Sim, muito bonito e é o ideal. No entanto, seria preciso arrasar quase lisboa inteira para ter espaço assim tão vasto. Regra mais adaptada para as cidades sírias, por exemplo, onde vai se poder contruir de raíz :grin:

Humor negro desncessário! A última coisa com que se vão preocupar são mesmo ciclovias

Referes-te a que lista? E porque não concordas com as outras?

Exatamente o que não se deve fazer. Retirar espaço ao peão. O inimigo da bicicleta, em termos de espaço público, é o automóvel e não o peão.

Nem lancis, nem rampas. Se reparares, por norma na Holanda, as ciclovias estão sempre à mesma cota.

2 Likes

Só o conceito de “inimigo” deita por terra qualquer discussão construtiva

Pode ser “adversário”, “concorrente”?

Desculpem, apareci aqui para comentar só porque li o 3 todo politicamente correcto a criticar humor negro, e a querer fomentar uma “discussão construtiva”…

Vou para casa ver se já lá tenho a Salma Hayek à espera, que hoje parece que é o dia dos milagres.

1 Like

Eu alteraria o ponto 1 para “colocar ciclovias sempre a cotas diferentes da estrada e com delimitação física desta; possivelmente à cota do passeio”.

Para mim o importante é separar as ciclovias das estradas. As ciclovias são um grande incentivo a quem não se sente à vontade para andar juntamente com os carros, por isso devem ser feitas longe destes. Quem se sentir à vontade PODE continuar a circular na estrada.

Idealmente, devem estar também separadas dos passeios, mas não considero ser a prioridade. É que enquanto apanhar peões na ciclovia é um incómodo, é algo que está sob o nosso controlo. Já levar com um carro de costas…

O ponto 2… Para mim tudo o que não é passeio é espaço roubado ao peão. Se o passeio for largo e for mais simples construir a ciclovia no passeio, siga.

O ponto 4… A ciclovia deve ter sempre duas vias para ser possível um ciclista ultrapassar outro com facilidade. Portanto, o ideal é haver ciclovias bidirecionais em ambos os lados, se não houver espaço para 4 vias (2 de cada lado), faz-se 2 vias num dos lados, ou seja, uma ciclovia bidirecional num dos lados.

Essencialmente esses pontos parecem defender os interesses de quem já anda sem ciclovias, enquanto para mim as ciclovias devem ter em vista aumentar o uso da bicicleta como meio de transporte.

Por que é que as ciclovias devem estar à cota do passeio? Não devem, bem pelo contrário!

Mas não, as bicicletas podem andar na estrada, é esse o princípio, e a ciclovia serve exatamente para dar mais segurança ao ciclista, segregando-o dos carros.

Isso é a prioridade máxima. Colocar ciclovias junto aos passeios é criar conflitos completamente desnecessários com peões.

Não, não siga!

Os teus comentários, com o devido respeito, é típico de novato

Qual a cota destas ciclovias?

@rf17 mais uma vez peço-te para perderes 20 minutos e para leres este artigo

https://www.veraveritas.eu/2016/10/ciclovias.html

Como disse, parece-me que defendes ciclovias na perspetiva de quem já se desloca de bicicleta usando a estrada. O que tu pretendes são o equivalente a vias bus para bicicletas.

Dizes que os meus comentários são típicos de novato porque eu defendo ciclovias que realmente trazem novas pessoas para este modo de locomoção.

Quem já anda na estrada, é livre de o fazer. As ciclovias devem estar bem separadas das estradas para servirem de alternativa a todas aquelas pessoas que não se sentem à vontade para circular junto aos veículos motorizados e que de outra forma não utilizarão a bicicleta.

O que eu defendo serve a maioria das pessoas, o que tu defendes serve apenas a minoria que atualmente utiliza bicicleta.

Em nenhuma das regras citadas no artigo sobre as boas práticas para a construção de ciclovias, vês escrito que as ciclovias devem estar junto à estrada. Diz apenas que deve estar à cota da estrada, o que é bem diferente de estar junto aos carros.

  • Onde é que está a estrada com carros nesta foto desta ciclovia?
  • Porque motivo nesta ciclovia as pessoas terão medo de andar?

Digo que és novato, claramente, porque defendes medidas de novato, colocar ciclovias nos passeios, roubando espaço aos peões, que acentuam conflitos perigosos e indesejados.

Mas eu não disse o contrário. A haver ciclovia (nem sempre é necessário se houver moderação de velocidades dos carros), todas as boas práticas sugeridas perante tal ciclovia envolvem a sua segregação.

Não, não são vias BUS, porque os carros estão proibidos de circular sobre ciclovias, ao contrário das vias BUS.

As boas práticas baseiam-se na Holanda, o que tu defende pratica-se em Portugal. Onde é que há mais ciclistas?

Eu baseio-me em Sevilha.