Campainhas e buzinas de bicicletas estão em risco de extinção?

Ainda gostava de saber onde é que foram buscar a ideia que “campaínhas e buzinas são obrigatórias em bicicletas”! Ou será que sou eu que estou enganado?

Eu estou de acordo, devia ser obrigatório.
Há mesmo muitas bicicletas de ciclistas que não as têm e para os peões é um perigo não avisarem (nem que seja um toque).

Eu não tenho campainha e não sinto necessidade. Um “dá-me licença?” costuma ser suficiente para os peões que costumam caminhar nas ciclovias.

2 Likes

Liberdade de escolha e bom senso! Sou contra obrigatoriedade de capacetes e agora de campainhas!
Capacete uso em Modo desportivo .
Campainha uso mas sem utilizar porque um …oh!!..se faz favor… cuidado ou então travo e vou a pé ou então desvio do peão.
Ate#

1 Like

Eu digo, às vezes é um berro, a dizer CUIDADO!

Eu gosto de usar a campainha. Mas também porque gosto dos sons que emitem.

Tento usar a voz para agradecer na passagem, mais do que para avisar.

Para alguns trajectos em Lisboa, onde a velocidade pode ser mais elevada e a visibilidade para os peões menor, (por exemplo na descida pela lateral da Avenida da Liberdade), por vezes uso uma espécie de sino que vai tocando com a vibração da bicicleta.
Com o mau estado do piso aquilo torna-se uma chinfrineira, mas apanho menos sustos com pessoas que saem por detrás dos carros estacionados a olhar para o telemóvel.

A maior parte das bicicletas vendidas nos últimos anos ainda seriam de btt e por isso não tinham campainha. Nos outros tempos a que se refere o autor do texto as bicicletas seriam mais urbanas e a presença da campainha nesses casos faz mais sentido.

De qualquer forma, actualmente, a utilização não é obrigatória.

Como é que é possível? É dos sons mais horríveis que eu conheço! A não ser que seja um som muito diferente do típico, até poderia ser que eu gostasse!

Em comparação com os que não têm medo até da vontade de pedir desculpa pelo repetido som da campainha estragar a música dos fones em plena ciclovia.

Seria estúpido que tal fosse obrigatório…
No Brasil é.