Ferrovia em Portugal


(José Miguel Ramos Modesto) #61

Não me interpretes mal. Eu sou todo pela ferrovia! Adoro viajar de comboio (mil vezes mais confortável que de carro, ou de avião) e acho que é um meio de transporte que faz todo o sentido num país de médias dimensões como o nosso, com todas as vantagens que ele nos traria, desde económicas, sociais, e de ordenamento do território.

Mas acho que a questão da ferrovia, e de um novo aeroporto são questões totalmente independentes…
É certo que um aeroporto em Beja iria necessitar de uma melhor ferrovia para aquela cidade. Mas eu acho que mesmo sem aeroporto Beja merecia uma melhor ferrovia!

Um aeroporto em Coimbra fazia-me menos confusão que em Beja, devido à dimensão da população que ia servir. Nada contra Beja (pelo contrário, como disse, tenho sangue dali), mas acho que esse é o tipo de investimentos ou de infraestrutura que deve ser feita para servir o melhor possível a população, ao mesmo tempo que acho que é um investimento que não teria nunca o efeito desejado em termos de desenvolvimento do interior.


(João Almeida) #62

Não estamos a discutir a opção por construir um aeroporto em Beja ou em Coimbra. Em Beja já existe. E Coimbra não serve o Algarve.


(Nuno Fernandes) #63

Porque Beja é uma ilha. Neste momento o aeroporto não tem ligação a sitio nenhum. De comboio é impossível lá chegar, de autocarro está por terminar a ligação Beja-A2.


(João Almeida) #64

(Nuro Carvalho) #65

populismo e demagogia…

Nuno Melo tem como hobbie restaurar carros

E o senhor da direita já vi eu ir buscar os filhos ao colégio no seu Porshe e estacionar em cima do ora no passeio ora na passadeira.

Sei que nada tem a ver com ferrovia, mas é o nível dos “mininos”…


(João Almeida) #66

Sempre é melhor do que andarem nas gasolineiras a pedir para baixar o ISP.


(Nuro Carvalho) #67

admito que sim, mas falar por falar e depois não agir não conta à mesma…


(João Almeida) #68

@Nuro_Carvalho mas fiquei curioso, quem é o do Porsche? O Pedro Mota Soares ou o Telmo Correia?


(Nuro Carvalho) #69

É o Telmo Correia.


(João Almeida) #70

Cá em Aveiro, a malta do CDS tem o mesmo fetiche:

http://www.terranova.pt/noticia/politica/rossio-se-nao-posso-ter-um-ferrari-fico-com-o-que-tenho-carlos-anileiro-pp


(João Almeida) #71

(Aónio Eliphis) #72

Enquanto houver apenas a CP como empresa pública, investir na CP é sinónimo de enterrar dinheiro na CP. E colocar taxas adicionais aos combustíveis será sempre mal recebido politicamente.


(João Almeida) #73

(João Almeida) #74

(João Almeida) #75

(Luís L Belard) #76

A anteceder as privatizações, há sempre um ‘agravamento’ da situação financeira e operacional das empresas que estão sob mira, causando natural descontentamento nos utilizadores e um legítimo desejo de mudança. São essas as condições necessárias e suficientes, para que depois se aplauda ‘a solução’, com um suspiro de alívio.
É apenas uma coincidência, claro.


(Aónio Eliphis) #77

Mas tens outra explicação? A CP sempre foi um sorvedouro de dinheiros públicos, isto não é de hoje, mas agora o governo preferiu com o mesmo dinheiro devolver salários a investir nos serviços públicos. É matemática, o dinheiro é finito. E pergunto: estamos aqui a defender a ferrovia ou o comunismo? Esta é a pergunta que a maioria dos ambientalistas nunca colocou a si próprio.


(Nuro Carvalho) #78


(Three) #79

Isso é apenas especulativo. O caos na CP dura há décadas tal como as greves. Precisa-se antes de um saneamento urgente!

Essa frase é demasiado redutora, claro que tem de existir algum equilíbrio. Aumentar rendimentos não é comunismo tal como construir ferrovia não é de ditaduras


(Aónio Eliphis) #80

Claro que sim! Mas há muito boa gente que acha que comunismo e ambientalismo são sinónimos políticos. Vede o caso do PEV.