Multas a peões e ciclistas


(Henrique Azevedo) #21

Sim, a provocação tem relação com notícias recentes, e também algumas abordagens que já sofri, ao andar de bicicleta por Lisboa.


(Henrique Azevedo) #22

Concordo que aqui em Portugal, principalmente nas regiões do interior, o transporte público é péssimo, e muitas vezes falta também infraestrutura adequada e segura para o peão e para bicicletas. Não sou de forma alguma contra os carros, acho bem que se use, ainda é indispensável. Entretanto as políticas públicas devem ser direcionadas no sentido de se inibir o uso excessivo, e incentivar mais o uso de outros meios ativos e o transporte público. Quando falo uso excessivo é que tem pessoas saudáveis que para ir a esquina comprar pão, tem que ir de carro. Tenho carro, ainda é um mal necessário, mas procuro usar com parcimónia.


(Henrique Azevedo) #23

Esses dias conheci um de 86 anos, ativo em sua bike.:smiley:


(Rui Fonseca) #24

Lê: https://www.detroitnews.com/story/news/local/michigan-history/2015/04/26/auto-traffic-history-detroit/26312107/

Dica: já havia carruagens puxadas a cavalo antes.


(José Miguel Ramos Modesto) #25

Diz isto nas características do Corsa no site da Opel:

Peso do veículo

1163-1237

Peso bruto (kg)

1605-1665

Consegues acertar qual a diferença entre «peso do veículo» e «peso bruto»?

E não, não é na parte do peso bruto no livrete que o meu carro pesa 1260 Kg… é a tara! Sabes o que é a tara?
Não sei que idade tem o carro que conduzes, mas eu percebo a tua confusão. Eu também já tive um Clio que pesava 830 Kg… mas teria neste momento 25 anos se fosse “vivo”.

BTW, aqueles valores que dizes ser de catálogo (e se calhar são mesmo) fazem referência a estarem englobados em campanha válida até não sei quando.
É que nem sequer clicaste nos links…


(Three) #26

Deve ser a versão blindada!

Deves estar a gozar comigo !

Quase toda a gente compra durante as promoções, são quase permanentes!


(Alexandre Climber) #27

"Deve ser a versão blindada! "

Existe a versão oficial:

https://www.opel.pt/carros/corsa/3-portas/especificacoes-tecnicas/dados-tecnicos.html

E a versão Three.

Como queres que te levemos a sério, se até a informação oficial no site da marca, dizes que é mentira?

No teu planeta, as coisas são tão diferentes do resto do planeta…


(Three) #28

Como podes falar em levar a sério quando alguém assume que uma carruagem e um cavalo pesam menos que um utilitário para justificar a maior mortalidade dos automóveis face às carruagens? É que nesta contabilidade esqueceu-se de que um cavalo pesa a partir dos 500 Kg e se forem 2 são logo 1000 Kg a que se soma a carruagem. Depois vem com a argumentação do peso de um automóvel de 2019 para justificar o comportamento dos mesmos em 1920 !:rofl:


(Alexandre Climber) #29

Não entrando em pesos de cavalos e carruagens, queres também comparar a aceleração de um carro versus de uma carroça? Assim como velocidade máxima de ambas?

Se puxares um bocadinho pela cabeça, pode ser que consigas chegar sozinho à conclusão de porque é que uma carroça mataria infinitamente menos do que um automóvel…


(Rui Fonseca) #30

Mas isto é sequer discussão? Basta ver a quantidade de gente que começou a morrer quando o número de veículos motorizados começou a aumentar. E antes já havia carroças puxadas a cavalo.


(Three) #31

Ora os números. Em Nova Yorque, 1920, o número de vítimas passou de 40 por milhão com carroças para 100 por milhão com automóveis.


(José Miguel Ramos Modesto) #32

Um aumento de 250%…

Ya, nada significativo…


(Rui Fonseca) #33

Fonte dos dados?


(Three) #34

(Rui Fonseca) #35

«than in auto accidents today»

Não são esses os números que deves comparar. Deves ver é a evolução dos atropelamentos à medida que os veículos motorizados começaram a circular nas cidades, que levaram à criação de medidas para combater essa chacina.


(Samuel Araújo) #36

Não me sendo muito habitual responder, cheguei aqui apenas para lembrar ao debate que o peso de um cavalo, de uma carruagem, de um automóvel ou de uma pessoa não são relevantes para a equação de risco.

O que tem de ser considerado é a Energia Cinética. “Ec=1/2 * m * v^2, ou seja, metade da massa vezes velocidade ao quadrado”

Alguns exemplos:

  • um pequeno grão de areia com 1mg a vir do espaço a 30km/s (ie um meteorito). Ec = 450000 J (45887Kgf)
  • uma pessoa com 65Kg a correr a 20km/h. Ec = 1000 J (102Kgf)
  • uma bicicleta de 10Kg mais uma pessoa com 65Kg a circular a 20km/h. Ec = ~1100 J (112Kgf)
  • um automóvel com 1500Kg a circular a 10km/h. Ec = 5800 J (591Kgf)

Ou seja, uma pessoa ou um ciclista circulam com energias semelhantes à mesma velocidade. Um automóvel a metade dessa velocidade circula com cinco vezes mais energia. O meteorito, só para referência, nem se compara, embora seja apenas uma minúscula partícula.

Resumindo. Prefiro levar com um Bolt ou um ciclista a 20km/h que com um automóvel a “apenas” 10…


(Three) #37

Discordo, não é apenas a quantidade de movimento que interessa, a capacidade de travagem também influencia o desfecho, e aqui a capacidade de travagem de uma carruagem é manifestamente inferior à de uma bicicleta ou automóvel. Se é certo que a quantidade de energia que um automóvel transporta é elevada, também é verdade que boa parte dessa energia se dissipa no sistema de travagem (se actuado, obviamente).


(Alexandre Climber) #38

Three, falta o resto da informação.

Distancias de travagem por velocidade.

E se as velocidades na cidade são apropriadas para uma sã convivência entre, carros, bicicletas, transportes públicos e peões!!!


(José Miguel Ramos Modesto) #39

Epa, confesso que fiquei confuso… dizes que o peso não é relevante mas mostras números que mostram que é? Não percebi :confused:


(Three) #40

:laughing: