Orbita em dificuldades financeiras


(Three) #1

Alguém sabe o que se passa? Será mais um esquema de empresários incompetentes?


(Rui Martins) #2

C’os diabos, será então por isto que a Órbita tem dificuldades em cumprir o contrato das Gira?


(Three) #3

Exactamente!


(Pedro Sanches) #4

1+1=2. É exactamente essa a razão.


(Aónio Eliphis) #5

Pois, nem todos são funcionários públicos!


(Aónio Eliphis) #6

Espera aí, não foi esse contrato que custou milhões aos cofres da autarquia? Devem ter ido para a Órbita! Estou confuso!

@jmpa que nos podes indicar?


(João Almeida) #7

Não sei detalhes, apenas rumores que a situação financeira da Órbita já está bastante má há largos meses. Já ouvi isto há mais de um ano provavelmente.


(Pedro Sanches) #8

@Aonio_Lourenco a Câmara tem garantias bancárias do investimento inicial que foi feito. Obviamente não foi paga a totalidade do contrato. Está assegurado o que já foi investido e essa é uma das razões pela qual os “novos investidores” não pegam na empresa.


(Aónio Eliphis) #9

Mas o contrato envolvia milhões a receber pela Órbita, e por certo envolvia milhões em lucros considerando as despesas. Se bem me lembro, a CML até teve propostas mais em conta, mas preferiu a Órbita por ser made in Portugal. A mim cheira-me a má gestão!


(Pedro Sanches) #10

A Gira é um sistema da câmara que não tem por objectivo o lucro mas sim o fornecimento do serviço. Quando a Órbita deixou de ter capacidade de resposta, não cumprindo o contrato, não foi efectuado mais nenhum pagamento e foram accionadas as cláusulas que cobrem o incumprimento.

Como referi, a câmara tem garantias bancárias que cobrem o investimento que já foi feito e estão agora em processo de litígio com a Órbita.


(Luís L Belard) #11

Se está em dificuldades financeiras e se isso vai fazer com que a Miralago encerre a fábrica, é uma chatice a todos os títulos: desemprego e perda de uma Marca (Órbita) icónica, com quase meio século. Da última vez que vi dados sobre eles (há dois anos talvez), exportavam mais de 12 000 bicicletas, tinham fechado o contrato de 23 milhões com a iniciativa da Gira tendo já fornecido 700 unidades que iriam duplicar no ano seguinte.
Ou quiseram dar um passo maior que a perna, ou foi um grande azar.


Está aqui a explicação?
“A EMEL rescindiu esta quinta-feira o contrato com a Órbita, alegando “sucessivos incumprimentos contratuais” que resultaram em sanções de 5,3 milhões de euros. A empresa (d)e bicicletas afirma não ter sido informada e critica a “ordem de prioridades” da empresa lisboeta.” Público 12 de Abril de 2019, 0:01


(Aónio Eliphis) #12

Com 23 milhões os chineses fariam 10 vezes mais, do que foi feito com a Gira! Vejam as motas eColtra, made in China!

@pmmsanches não me vais dizer que bicicletas eléctricas são mais caras que scooters

Como digo, tudo cheira mal: cheira mal o negócio entre a CML e a Órbita, como cheira mal a Órbita ter um contrato de 23 milhões com a CML e mesmo assim estar em dificuldades financeiras, quando, como referiu o @LUISB tinham exportações de milhões de euros.

@pmmsanches quem fará a manutenção das GIRA doravante?


(Pedro Sanches) #13

Não creio que sejam mais caras nem conheço todos os detalhes do negócio. Mas saberás certamente que 23M€ não se destina apenas a bicicletas. Não estou a justificar mas não tenho informações que me permitam concluir que haja alguma trafulhice.

A manutenção no futuro será feita pela empresa que ficar com o novo contrato. Procurarão a compatibilização do sistema actual com o próximo sistema. Actualmente essa manutenção está a ser feita pela Siemens.


(Three) #14

Não valem nada, mas sim, fazem.

São de facto mais caras do que muitas scooters chinesas


(Aónio Eliphis) #15

As motas eCooltra não são boas?


(Ana P.) #16

No processo de analisarmos e comentarmos, legitimamente, o trabalho, e em particular os falhanços ou as desgraças dos outros, é sempre bom manter isto em mente.

It is not the critic who counts;
not the man who points out how the strong man stumbles,
or where the doer of deeds could have done them better.
The credit belongs to the man who is actually in the arena,
whose face is marred by dust and sweat and blood;
who strives valiantly; who errs,
who comes short again and again,
because there is no effort without error and shortcoming;
but who does actually strive to do the deeds;
who knows great enthusiasms,
the great devotions;
who spends himself in a worthy cause;
who at the best knows in the end the triumph of high achievement,
and who at the worst,
if he fails,
at least fails while daring greatly,
so that his place shall never be with those cold and timid souls who neither know victory nor defeat.

Theodore Roosevelt

Recomendo também o trabalho da Brené Brown. Além dos livros e da TEDTalk, tem um especial no Netflix que recomendo vivamente. É daquelas coisas que nos transformam.


(Luís L Belard) #17

Miralago/Órbita anda a vender as máquinas.
“No início do mês, e acumulados três meses de salários em atraso, cerca de 50 operários da Miralago/Órbita pediram a rescisão dos contratos de trabalho, deixando a empresa praticamente sem trabalhadores”.

“Há mais de dois anos que temos vindo a vender alguns equipamentos, na sequência da estratégia definida de nos concentrarmos naquilo em que somos bons e fazemos a diferença”, diz Jorge Santiago, um dos senhores gestores da Miralago.

Iremos finalmente saber se ‘aquilo em que são bons’ é fazer negócios ruinosos ou será que vai sair dali uma fábrica 100% robotizada, sem um único trabalhador?


(João Almeida) #18

(Three) #19

Resultados da nova geração de “empreendedores”. Acham que podem reinventar a roda e o resultado está à vista!


(Aónio Eliphis) #20

Atenção que nunca mencionei trafulhice, acho apenas que é má gestão.