Orbita em dificuldades financeiras


(Three) #1

Alguém sabe o que se passa? Será mais um esquema de empresários incompetentes?


(Rui Martins) #2

C’os diabos, será então por isto que a Órbita tem dificuldades em cumprir o contrato das Gira?


(Three) #3

Exactamente!


(Pedro Sanches) #4

1+1=2. É exactamente essa a razão.


(Aónio Eliphis) #5

Pois, nem todos são funcionários públicos!


(Aónio Eliphis) #6

Espera aí, não foi esse contrato que custou milhões aos cofres da autarquia? Devem ter ido para a Órbita! Estou confuso!

@jmpa que nos podes indicar?


(João Almeida) #7

Não sei detalhes, apenas rumores que a situação financeira da Órbita já está bastante má há largos meses. Já ouvi isto há mais de um ano provavelmente.


(Pedro Sanches) #8

@Aonio_Lourenco a Câmara tem garantias bancárias do investimento inicial que foi feito. Obviamente não foi paga a totalidade do contrato. Está assegurado o que já foi investido e essa é uma das razões pela qual os “novos investidores” não pegam na empresa.


(Aónio Eliphis) #9

Mas o contrato envolvia milhões a receber pela Órbita, e por certo envolvia milhões em lucros considerando as despesas. Se bem me lembro, a CML até teve propostas mais em conta, mas preferiu a Órbita por ser made in Portugal. A mim cheira-me a má gestão!


(Pedro Sanches) #10

A Gira é um sistema da câmara que não tem por objectivo o lucro mas sim o fornecimento do serviço. Quando a Órbita deixou de ter capacidade de resposta, não cumprindo o contrato, não foi efectuado mais nenhum pagamento e foram accionadas as cláusulas que cobrem o incumprimento.

Como referi, a câmara tem garantias bancárias que cobrem o investimento que já foi feito e estão agora em processo de litígio com a Órbita.


(Luís L Belard) #11

Se está em dificuldades financeiras e se isso vai fazer com que a Miralago encerre a fábrica, é uma chatice a todos os títulos: desemprego e perda de uma Marca (Órbita) icónica, com quase meio século. Da última vez que vi dados sobre eles (há dois anos talvez), exportavam mais de 12 000 bicicletas, tinham fechado o contrato de 23 milhões com a iniciativa da Gira tendo já fornecido 700 unidades que iriam duplicar no ano seguinte.
Ou quiseram dar um passo maior que a perna, ou foi um grande azar.


Está aqui a explicação?
“A EMEL rescindiu esta quinta-feira o contrato com a Órbita, alegando “sucessivos incumprimentos contratuais” que resultaram em sanções de 5,3 milhões de euros. A empresa (d)e bicicletas afirma não ter sido informada e critica a “ordem de prioridades” da empresa lisboeta.” Público 12 de Abril de 2019, 0:01


(Aónio Eliphis) #12

Com 23 milhões os chineses fariam 10 vezes mais, do que foi feito com a Gira! Vejam as motas eColtra, made in China!

@pmmsanches não me vais dizer que bicicletas eléctricas são mais caras que scooters

Como digo, tudo cheira mal: cheira mal o negócio entre a CML e a Órbita, como cheira mal a Órbita ter um contrato de 23 milhões com a CML e mesmo assim estar em dificuldades financeiras, quando, como referiu o @LUISB tinham exportações de milhões de euros.

@pmmsanches quem fará a manutenção das GIRA doravante?


(Pedro Sanches) #13

Não creio que sejam mais caras nem conheço todos os detalhes do negócio. Mas saberás certamente que 23M€ não se destina apenas a bicicletas. Não estou a justificar mas não tenho informações que me permitam concluir que haja alguma trafulhice.

A manutenção no futuro será feita pela empresa que ficar com o novo contrato. Procurarão a compatibilização do sistema actual com o próximo sistema. Actualmente essa manutenção está a ser feita pela Siemens.


(Three) #14

Não valem nada, mas sim, fazem.

São de facto mais caras do que muitas scooters chinesas