Redução do IVA para bicicletas, será desta?


(Mário Alexandre) #1

Parece que a comunidade europeia vai discutir a redução do IVA para bicicletas, para já as eletricas ficam de fora…

https://www.motor24.pt/sites/wattson/reforma-do-iva-pode-deixar-as-bicicletas-eletricas/


(João Almeida) #2

Pelo que percebi não vão reduzir. Vão dar a possibilidade de que os Estados membros reduzam. E as bicicletas electricas ficam de foram, mas os carros electricos não, o que é uma vergonha.


(Mário Alexandre) #3

Até sair alguma coisa que se veja … Já é bom estarem a pôr a hipótese na mesa das conversações.
Depois há sempre a excepção de Portugal, que por muito que se baixe, acaba por não fazer diferença alguma.
Podia ser uma boa medida para incentivar mais pessoas a aderirem à bicicleta.


(Aónio Eliphis) #4

E qual é mesmo a vantagem de reduzir o IVA para bicicletas?

Socialistas!!!


(Aónio Eliphis) #5

"Dizem que vão reduzir o IVA das Bicicletas!"


(Three) #6

Que tem o socialismo a ver com isto? Por acaso os sociais democratas andam todos de bicicleta ?


(João Almeida) #7

For example, when France introduced a national purchase incentive scheme for EPACs, a large-scale survey revealed that EPAC trips had replaced 61% of car journeys, compared to 21% by conventional bicycles.

https://ecf.com/news-and-events/news/eu-vat-reform-and-its-implications-cycling-explained


(João Almeida) #8

Subsidies on the table include: up to €400 ($495) for e-bike purchases; €600 ($744) toward both electric and conventional cargo bikes; and €400 for residents who upgrade their conventional bikes with electrical assists. Each subsidy applies to only one bike per person.
The city will also offer €600 for residents who get rid of their personal cars. Furthermore, any Parisian obtaining their driver’s license will also get a €50 ($62) credit toward Vélib’, the city’s bike-share program.


(Three) #9

Porque razão só se aplica aos residentes ?


(Aónio Eliphis) #10

@jmpa esses incentivos estão incluídos num pacote muito mais abrangente. Desde quando reduzir o IVA na compra de bicicletas traz mais ciclistas para a rua numa lógica de mobilidade diária? Achas que na Holanda as bicicletas têm IVA reduzido? Então os portugueses têm dinheiro para comprar carro e não têm para bicicletas? O que se deveria financiar era a mobilidade em bicicleta através do IRS e não a compra.

@Three, os socialistas são demagogos e adoram atirar migalhas e lixo retórico para cima das causas.


(Three) #11

Não, recorrem ao crédito

Não são assim todos os políticos ?


(João Almeida) #12

Entendo que haja formas mais eficientes de promover a mobilidade em bicicleta, mas …

Nada impede aos Estados membros definirem um pacote muito mais abrangente.

Uma vez que ainda não se pode reduzir o IVA, não consigo responder a essa pergunta. Os únicos dados que tenho são os dos incentivos fiscais em França, que pelos vistos tiveram algum efeito.
Curioso achares bem agravar os impostos sobre a compra de automóvel e que isso tem algum efeito, mas depois dizeres que reduzir os impostos sobre as alternativas já não tem efeito nenhum.

Sendo a Holanda um Estado membro da UE, as bicicletas ainda não podem ter IVA reduzido. É isto que se pretende com esta proposta, possibilitar aos Estados membros reduzir o IVA.
Achas que a Holanda é um exemplo a seguir em tudo? Um sistema de bike sharing pode ser mais eficiente que toda a gente andar com bicicleta própria. Porque é que os holandeses não começam a partilhar bicicletas?

Uma bicicleta eléctrica ou de carga já exige algum esforço financeiro. Há carros usados pelo mesmo valor, a diferença está depois nos custos regulares associados a um e outro.

O que sugeres? E como implementarias?


(Aónio Eliphis) #13

Onde é que eu disse que não se deve agravar impostos sobre automóveis?

Repito o que sempre disse: as pessoas têm 20 mil euros para dar para um carro e não 200 para uma bicicleta??? Precisam de IVA reduzido?

The allowance for a bicycle used for travelling to and from work is subject to limitations. The tax authorities do not permit employers to give unlimited allowances to their employees. The tax exemption for the bicycle has been set at € 749.00. For bicycle accessories and services directly related to travel to and from work, the tax exemption has been set at € 82.00 a year and for at most 3 years. You do not have to submit any receipts for this item. On the application form for the bicycle scheme you can indicate at the “RESOURCES part c” if you want to participate with Avom for yearly € 82.00 in the next year and the year after by lowering your gross salary . This means that in the month January your gross salary will be reduced with € 82.00 and this amount will also be paid net to you with your salary of this month.

The plan involves encouraging more employers to pay their staff 19 cents a kilometre in travelling expenses if they use their own bike to get to work. The payment is part of the Dutch tax system but few employers use it.


(Three) #14

Essa é uma daquelas comparações…idiotas. É o mesmo que dizer que as pessoas têm 100 000 euros para comprar um apartamento mas não têm 1000 euros para comprar uma tenda.

A questão aqui é a relação custo/benefício algo que está por demonstrar para as bicicletas em particular para quem vive a 30 ou + km do local de trabalho e onde os TPs nem existem.


(Pedro Sanches) #15

Não, não é o mesmo. Um apartamento de 100 000 EUR será para viver ou para arrendar. Uma tenda não. Uma tenda tem um cariz recreativo. Serve para acampar quando vais de férias. “Ninguém” tem uma tenda como sua habitação.

Um carro serve para te deslocares de A para B, assim como uma bicicleta. A função é a mesma, ao contrário do exemplo que dás.

Não está nada por demonstrar. Está tudo mais que demonstrado. O problema, sim, concordo, está na ineficiência e no desinvestimento que se tem vindo a verificar no transporte público. Sejam estes de qualidade e com frequências adequadas, e a bicicleta é um excelente complemento.


(João Almeida) #16

Eu disse que tu defendes que se agravem os impostos sobre os automóveis.
Porque é que agravar os impostos sobre um produto tem efeito, e aliviar os impostos sobre outro produto não tem?

Não encontras uma eléctrica ou de carga por 200 €. E se reduzes o IVA sobre essas, não faz sentido não reduzir sobre as convencionais.

Ambas as propostas são bem-vindas mas têm o problema da fiscalização. E a segunda não é totalmente justa. Por exemplo, quem prefere pagar mais de renda e viver mais perto do trabalho para ir a pé, não recebe nada. Mas assim, o Estado também está a recompensar a atividade física.


(Aónio Eliphis) #17

:slight_smile: Muito bom! Eu gosto deste tipo porque é um verdadeiro sofista! E é bom ter sofistas a contra-argumentar, ajudar a aprimorar o argumento, embora a verdadeira causa do sofista seja defender a sua tese, e não os factos.

Em qualquer caso, os sofismas do @Three são muito fáceis de desconstruir. Estás a assumir que uma pessoa vive toda a sua vida num apartamento e passa férias numa tenda uma semana por ano. Logo, justifica-se que não se queira dar 1000 euros por uma tenda para ser usada uma semana por ano. Mas o que se estava a debater aqui era a utilização da bicicleta como substituto ao automóvel e para mobilidade diária, ou seja, casa-trabalho-casa.

Se, por hipótese, vendesses a tua casa e fosses viver permanentemente para uma tenda, não darias 1000 euros por uma tenda com o valor da venda da casa?


(Aónio Eliphis) #18
  1. Porque o diferencial dos valores em causa é colossal, o ISP tem um peso muito maior que o diferencial do IVA nas bicicletas;
  2. Porque a elasticidade-preço da procura das bicicletas é baixa, visto que o seu pleno usufruto, ao contrário de um livro ou de uma mesa, não depende apenas do ato de compra, mas de fatores externos, neste caso as condições de segurança e usabilidade da mesma no espaço público;
  3. Porque comprar bicicletas, não implica usar bicicletas no dia-a-dia!

Mas este Orçamento tem medidas muito positivas, pois carrega (ou pelo menos não desagrava) o ISP, e não há imposto que mais penaliza o uso do automóvel que o ISP.


(Three) #19

O problema é que essa substituição só é realista para quem vive a uma distância ciclável do local de trabalho. Para os restantes, tal não se aplica, pelo menos enquanto a rede de TPs, onde existe, excluir o transporte de bicicletas.

Esta é daquelas pérolas. Gasolina a 20 € o litro iria colocar no isolamento centenas de pequenas localidades do interior onde nem existem TPs. Seria um retorno à idade média para essas populações. Assim seriam forçadas a viver como eremitas ou emigrar para os arredores das grandes cidades num movimento idêntico ao que já sucedeu no final do século XIX. Deixem-se de ilusões, seria um caos social!


(José Miguel Ramos Modesto) #20

Ou a uma distância ciclável (tipo… até 4 Km ou 5) do TP que nos mete rapidamente no local que queremos.