Sinistralidade rodoviária


(Cláudio Coelho) #101

Digo mais: Em vez de se andar a aplicar coimas de imediato e depois mandar os condutores para casa, as autoridades deviam aplicar multas em “tempo” ficando o condutor sem carta e viatura (a viatura e a carta ficaria apreendida durante 15 dias, 30 dias, 2 meses, 6 meses, etc…) Depois, quando o condutor for levantar a carta e a viatura pagaria a multa (proporcional ao seu IRS) e o aluguer do espaço onde o carro esteve parado.


(Nuno Fernandes) #102

Acho que o “choque de realidade” seria útil para um melhor entendimento e interiorização das regras. Elas não existem para chatear, existem por um motivo. Acredito que pudesse mudar a perspetiva de uma parte dos condutores, agora naturalmente que por si só não resolve nada.


(Three) #103

O bluetooth no carro deve ser como cinto de segurança, sempre activado. Mesmo assim com alta voz a conversa pode distrair.

Agora existe algo que também deveria ser proibido, fumar. manusear um cigarro aceso é tão perigoso como um telemovel


(Nuro Carvalho) #104

De acordo!


(José Miguel Ramos Modesto) #105

Não é preciso que esteja sempre ligado… como disse, quando não o tenho ligado, e me telefonam, a regra é não atender e mais tarde retribuir a chamada quando parar.


(Aónio Eliphis) #106

Mais dois

Novinhos! E segue a matança! Com a vil complacência da sociedade civil! Por muito menos fez-se a revolução dos cravos!

Ou como já satirizava o New York Times nos anos 1920


(Three) #107

Essa frase parece isentar o condutor de responsabilidade, o que claramente não foi o caso.

O cenário é simples, dão carta a quem não tem responsabilidade ou um pingo de inteligência, enfia-se num carro e como uma criança acelera a para ver quanto dá, o resultado é óbvio. Culpa do carro ? Evidentemente que não. Pela mesma razão que não se dão facas a crianças não se devem dar carros a idiotas inconsequentes!


(José Miguel Ramos Modesto) #108

@Three , os carros são tão culpados da sinistralidade rodoviária em Portugal, como as armas são de massacras nos Estados Unidos. É óbvio que a culpa é de quem manuseia o objecto. Mas os números excêntricos que acontecem (cá, como lá) são fruto da desregularização, ausência de fiscalização e da liberdade de acesso e de usos que se dão. Qualquer banana tira a carta, não existe qualquer fiscalização na estrada, e existe uma determinada de cultura (de se acelerar, levar o carro para todo o lado e até para sítios que chegam a ser ridículos) automobilística que por cá, que explica estes números.


(Three) #109

A única causa é a falta de fiscalização musculada.
Bastava actuar de forma implacável durante uns tempos para dissuadir, mas quando a polícia faz alguma coisa é um problema porque os polícias são sempre os maus.

Depois sugerem medidas parvas como proibir a existência dos objectos de crime. Tal como comparar carros com armas :angry:

O meu cutelo da cozinha também pode ser uma arma, tal como as telhas de barro que tenho no quintal ou a perna de presunto pendurada no telheiro! Tudo armas potenciais. Pertencem à categoria das caçadeiras ou serão morteiros? :rofl:


(PN) #110

@Three, o cutelo pode ser, se andares com ele na rua sem razão que o justifique e sem estar devidamente acondicionado… pode dar chatices (se houver quem se aproxime de ti).


(José Miguel Ramos Modesto) #111

O único que comparou carros a armas foste tu. Eu comparei circunstâncias. Se encontras similaridades entre elas… então vou-te deixar reflectir sobre isso.

O problema da sinistralidade não é só a “qualidade” do uso. É também a “quantidade”. Isto é a base da lei dos grandes números. 300 mil carros a circular não causam 3 vezes mais acidentes que 100 mil carros, causam exponencialmente mais que isso. A única forma de matar a coisa seria se o risco de cada um provocar um acidente fosse nulo… o que é impossível. Portanto, o melhor que podemos fazer para combater a sinistralidade rodoviária, é fiscalizar mais e educar melhor as pessoas, e incentivar a que as pessoas deixem mais vezes o carro em casa.

Mas tu só sabes ver 8 ou 80… preto ou branco… para ti qualquer coisa que se oponha a poder-se levar o carro para todo o lado e fazer tudo o que se quer com ele no espaço público, é proibir a sua existência. Desculpa lá, mas esse parágrafo que formulaste é uma merda.


(João Almeida) #112

(Luís L Belard) #113

Segundo o secretário de Estado da Protecção Civil “Sentimos que há aqui um dado novo, o telemóvel…".
Em 2018 o número de condutores multados por uso de equipamento não autorizado ultrapassou os 42 000. Isso mesmo, mais de 115 por dia!
“Entre a utilização, houve registos das habituais chamadas telefónicas, o envio de mensagens, o uso do GPS e até os sistemas de controlo de painéis digitais dos automóveis mais recentes. Há mesmo quem seja apanhado a ver vídeos enquanto conduz” - disse na altura o presidente da ANSR.
Enquanto as construtoras insistem em transformar o interior dos carros em tentadoras salas de espectáculo, muitos (muitíssimos) condutores viciados acham que aquilo é uma coisa indispensável, inofensiva, um ‘must’ que dá status. O resultado está à vista.


(Three) #114

Esse senhor se não sabe devia informar-se de que a reprodução de video se encontra bloqueada nos equipamentos de origem assim como a manipulação do GPS sempre que existe movimento da viatura. Até o google maps bloqueia as configurações logo que detecta movimento.

Esses equipamentos que permitem tudo são after market e vendem-se em tudo o que é loja de electrodomésticos e podem ser instalados até em carros de 1950, portanto essa mania de culpar as construtoras não pega…


(José Miguel Ramos Modesto) #115

Agora vou dizer aqui uma coisa, que se calhar para o Three vai ser uma novidade…

O que tu dizes é redondamente falso. Não só qualquer um pode ver vídeos enquanto conduz, como eu nem sequer conheço quem tenha um carro que tenha uma tecnologia tal, que impeça os telemóveis de passarem vídeos… e conheço quem tenha comprado carro novo no último ano.
O GPS, permite-me dizer-te, eu uso dois tipos de GPS: ora uso o integrado no carro, que faz parte dos equipamentos que vieram de origem de fábrica com ele, ora uso o Google Maps. E sabes a melhor? Consigo fazer qualquer tipo de configuração/alteração tanto num como no outro, com o carro em movimento!!


(Marta) #116

falso! ambos! Quanto à reprodução de vídeo nos equipamentos de origem, não tenho, por isso já não sei, mas a configuração do GPS em movimento é perfeitamente possível! e faço-a muitas vezes, em movimento, enquanto “co-pilota”…


(Three) #117

Está-me a chamar mentiroso ? Deve ter alguma marca martelada por chungas!


(Three) #118

Olha,. se calhar devias sair da bolha da AML de vez em quando para veres a luz …


(Marta) #119

Podia nem me dar ao trabalho de responder, mas cá vai: tenho 2 carros de 2013, comprados novos num stand oficial em Portugal, com GPS de origem. Consigo, nos 2, manusear o GPS, configurar destino, opções de percurso, todas as funcionalidades, em andamento. O manual de instruções, original, também nada refere sobre esse “suposto bloqueio” quando a viatura está em andamento.
Por isso, não afirme algo que desconhece na íntegra. Se sabe, com conhecimento de causa que a marca X em essa funcionalidade/mecanismo de segurança, afirme somente isso. Dizer que:

“Esse senhor se não sabe devia informar-se de que a reprodução de video se encontra bloqueada nos equipamentos de origem assim como a manipulação do GPS sempre que existe movimento da viatura. Até o google maps bloqueia as configurações logo que detecta movimento.”

sem referência a alguma marca, é dirigir a afirmação para todas as viaturas, independentemente das marcas, com esses equipamentos de origem.
E eu afirmo, com conhecimento de causa, que para a Peugeot é falso, até pelo menos 2013, e tenho dúvidas que para outras marcas com grande representatividade em Portugal isso seja verdade. E por, quanto às outras marcas, eu não saber, não faço afirmações tão veementes que obviamente, quando erradas, rapidamente encontram quem as contraponha.


(Three) #120

Pode amuar se quiser. Parece que hoje em dia são todos muito sensíveis, deve ser do excesso de mimos!
Opel,. Mazda e Ford não permitem manuseamento do GPS nem reproduzem videos. Mais, a aplicação Android Auto que é a referência em conectividade entre terminais móveis e viaturas automóveis e portanto agnóstica à marca bloqueia os comandos do GPS logo que detecta movimento e não suporta aplicações que reproduzam video. Portanto informe-se antes de generalizar e chamar mentiroso a quem não conhece!