Uber Bicicletas eléctricas


(PG) #21

Para o pessoal aí em cima que acha caro, concordo totalmente. Não estou a falar de investimentos nem tretas financeiras (isso é com eles, se não dá lucro, que subsidiem com lucros “poluentes”, ou seja, dos seus próprios “ubers”): estou a falar para o consumidor, comparando as outras alternativas de transporte (metro, carro, uber, gira, etc)…

Como é que não é caro se em 10m pago 1,50 e ando “um nadinha”, que é o preço do Metro e posso andar a cidade inteira?

As trotinetes idem aspas.

Ironicamente defendem a mobilidade mas em certas viagens é mais barato apanhar um Uber que uma Jump.

Eu, imho, defendo estas soluções como primariamente públicas (lucro perto de 0) e sociais, depois pode permitir-se a entrada de privados mas se vierem com pretensões de muito lucro o consumidor decidirá.
Se é para promover a mobilidade não se deve ter em conta primariamente o lucro, isto não é um casino de Las Vegas.
Basicamente concordo com a forma como as coisas estão a ser feitas em Lisboa.

Mas no geral, sou completamente a favor da iniciativa da Jump :slight_smile:

Uma dúvida: elas têm de ser deixadas em “postes” específicos com o cadeado? ou em qualquer “ferro”? Como funciona isso? Ainda bem que ao menos não ficam “à balda” como as trotinetes.


(Rui Fonseca) #22

Para quem não tem passe de metro, como eu, compensa bastante.

Por exemplo, de GIRA fui do Arco do Cego ao Campo Pequeno e demorei 4 minutos.

Seriam 60 cêntimos, é menos de metade que o metro/autocarro e sem dúvida muito mais rápido, sem ter de andar a descer e subir escadas.

Estas bicicletas sem docas, para pequenas deslocações dentro da cidade, serão uma excelente alternativa económica a qualquer outro meio de transporte.


(Carlos Cardoso) #23

Já experimentei e gosto mais do que das eléctricas da Gira.
Só é pena não ter o mesmo tarifário que em Berlim:

€1 FOR 20 MINUTES
And just under €0.10/min after that.

https://de.jump.com/en/cities/berlin/

Acho que usaria muito mais se fosse este o preço em vez dos €0.15/min


(PG) #24

Rui, naturalmente que isso depois é fazer as contas caso a caso e no teu caso compensa, sim.

Mas se comparares com as Gira, e fizeres 25 (passe anual)/.15 ≈ 160 minutos.

Cerca de 2.5 horas nas Jump contra 1 ano de Gira…

Bingo, aqui está a resposta a toda esta thread. Logo em Berlim onde até se ganha mesmo mal… Mais um típico exemplo da Chanceler que quer “uma Europa à mesma velocidade”…numas coisas mas noutras nem tanto :thinking:

Atenção que pelo que entendo esse tarifário também não é perfeito: uma vez que o mínimo é sempre 1€.

Quem sabe lá chegaremos a uma coisa mais “justa”, há que dar tempo porque ainda agora começou, e parabéns a Lisboa pela iniciativa.


(Rui Fonseca) #25

Sabes como é, há que ajustar ao nível de vida de cada cidade. /s :laughing:

Mas pessoalmente não gosto de taxas fixas. Para mim são úteis para viagens curtas, para viagens longas prefiro metro. Ao cobrarem 1€ já deixa de haver margem para compensar em relação ao metro.

O meu histórico de viagens na GIRA:
6 min, 4 min, 3 min, 16 min, 6 min, 38 min, 30 min, 7 min, 4 min, 10 min, 7 min, 4 min…


(Manuel Reis Jorge) #26

Quer as Giras quer as Uber tem a vantagem de facilitar o uso das biclas para quem não tem uso regular ou descobre essa utilização.
A longo prazo, com 300km de cilovias , o objectivo é cada vez mais cada um ter a sua bicicleta pois é dificil fornecer uma disponível a todos e a qualquer momento.


(Adriana Macedo) #27

Experimentei hoje uma Jump (entre Algés e o Estádio da Luz, sem medo das subidas devido à assistência elétrica), já que me movimento em locais sem docas Gira e a Uber está a oferecer 20 minutos grátis (acho o valor exorbitante); nunca experimentei uma Gira elétrica para poder comparar.
E o que achei?

  • Muito pesada; não tem suspensão, foi um martírio para as minhas costas.
  • Muito lenta em plano, acho que pedalo mais rápido na minha bicla normal.
  • A assistência elétrica na subida para Alfragide não foi tão pacífica quanto eu esperava. Custou e não deu para compensar levantando o corpo para projetar o centro de gravidade, devido ao desenho da bicicleta.
  • Difícil de manobrar, ângulos de viragem curtos; passar a ponte sobre a radial de Benfica, conjugado com a subida, foi difícil. Empurra-la à mão não parece opção e, depois de andar para a frente e para trás para virar a 180 graus, o arranque na subida até obter assistência eletrica do motor (só aparece na segunda pedalada) não é fácil. Manobrar para estacionar é igualmente difícil.
  • 43 minutos, 14,5km e 3,45€ depois, cheguei ao meu destino. Ficou falsamente presa porque não há sítio aqui para a amarrar: exatamente como a encontrei…
  • Acho que só será uma boa opção para emergências e períodos curtos. Dei por mim a pensar quanto me custaria cada semáforo…
    Estou só a partilhar a minha experiência.
    Já sei que agora tenho de experimentar uma Gira para poder comparar.
    Boas pedaladas!

(Nuro Carvalho) #28

@Adriana_Macedo, excelente partilha de feedback!

Por acaso experimentei no fds com a família, as babes levaram as suas bikes e eu ia na Jump, depois troquei com a babe e ela usou pela primeira vez uma bicicleta pedalec.
Gostei e senti que o motor ajudava bastante…
Efetivamente não é um valor muito barato, mas para os turistas e para desenrascar em situações de necessidade ou em locais onde não há Giras é uma boa solução.

Na sexta tentei acompanhar uma Jump quando ia na minha “Romana” (minha pedalec) entre o Parque das Nações e Entrecampos e achei que a Jump andava bem!!

Precisamos é de mais infraestrutura (ciclovia, redução de velocidade nas vias, contra-fluxos, estacioanmentos) para tanta bicicleta e trotineta!


(Alexandre Climber) #29

O que justificará a diferença entre a performance eléctrica da Adriana, com a do Nuro?

Seria o nivel da carga?

Eu nas Gira, já apanhei electricas em que a assistencia(apesar de indicar 100%), simplesmente não funcionava, tornando uns verdadeiros monos…

De resto, sempre que a assistencia estava OK, tornava a pedalada muito facil em qualquer subida…


(Adriana Macedo) #30

Comecei a viagem com autonomia para 21km e, quando terminei, a app indicava 12.


(Rui Fonseca) #31

Isso foi com o nível máximo de assistência?


(Adriana Macedo) #32

Foi sim Rui. Tem 3 níveis de assistência. O que me esqueci de mencionar é que nas descidas a Jump anda muuuuito bem, não há limitador de velocidade. Os travões podiam ser melhores, não me pareceu possível fazer uma travagem a fundo em pouco espaço.


(Herculano Rebordao) #33

Eu, na passada sexta-feira fiz Santos-Entrecampos, pela baixa-av. da Liberdade-Marquês- Saldanha e demorei 28 minutos, o que me pareceu excelente. Gastei 1,2€. Claro que se tivesse pago todo o trajeto teria sido caro: 4,2€. Ainda assim a previsão de um Uber seria de 8€ e Mytaxi 7-10€. Se fosse de Metro pagava 1,4€ mas demorava 42 min. A melhor solução seria a Gira, que me custa 0,07€ por dia.


(Nuro Carvalho) #34

(Three) #35

Provavelmente deveriam saber que as Giras foram financiadas com fundos europeus originalmente destinados à promoção do uso de bicicletas nas escolas com subsídios de aquisição até 250 € por aluno. Claro que os habituais gatunos das autarquias trataram logo de desviar esses fundos para empresas de amigos corruptos.


(PG) #36

…Fonte?


(Three) #37

Carvalhelhos!


(Herculano Rebordao) #38

Não creio. Seria importante revelar de onde veio esta informação.
As Giras são financiadas com o produto dos estacionamentos pagos na cidade de Lisboa.
As contas da EMEL são públicas é só consultar de onde vem o dinheiro: https://www.emel.pt/pt/informacao_financeira/


(Rui Vilela) #39

Gostei das Uber bike, fica com um preço mais em conta que uma trotinete da lime (desbloqueio).
Provavelmente farão concorrência com a Gira na tarifa diária, ou fora do circulo das estações. Boas especialmente para turistas. Pessoalmente gosto das Gira, esperando que o sistema se expanda pela cidade como noutras cidades europeias


(Three) #40

Isso não o posso fazer. Como deve saber iriam perseguir alguém! Mas acredite se quiser ou permaneça iludido!

Pois pois,documento manipulados para iludir tolos!