Automóvel ultrapassa e tem acidente


(Nuro Carvalho) #21

Certo. Não estávamos lá logo não sabemos em detalhe, mas…

Essa estrada é um empedrado pelo que a bicicleta não deveria ir muito depressa. O Código indica que deve aproximar com a devida antecedência e tb não sabemos se tal sucedeu mas eu iria sempre circular aí centro tanto mais que tem veículos estacionados à direita, mas não sei se foi o caso. O olhar para trás é recomendável mas não é obrigatório. A responsabilidade, vendo agora essa foto, só pode ser do automobilista pois ultimamente num local onde não pode, até deveria ter traço contínuo, digo eu.


(José Miguel Ramos Modesto) #22

Tendenciosos? Então o homem ultrapassa em excesso de velocidade e em local proibido a tal :joy:

Além de que, o José assinalou a intenção de virar à esquerda bem antes de o ir fazer. O homem que se espetou ao se desviar, fê-lo, antes de o José virar à esquerda ou mudar de via. Porque raio é que o José, permanecendo na mesma via, haveria de colocar em risco quem o ultrapassava? Só sendo uma ultrapassagem ilegal, dentro da mesma via de trânsito.


(Pedro Sanches) #23

Estas tentativas de tentar desculpar os comportamentos de risco não têm muita lógica. O homem que vai de bicicleta não tem culpa absolutamente nenhuma de o outro indivíduo estar incorrectamente habilitado para conduzir. Se não sabe, deixe o carro em casa para ver se não mata ninguém.


(Three) #24

Sinalizar a manobra é diferente de concretizá-la. Desde quando um braço esticado constitui uma manobra ?
Sejamos pragmáticos, uma abécula grunha com pata a fundo em excesso de velocidade tenta ultrapassar tudo o que encontra pela frente e desta vez correu mal para ele. Se circulasse a 50Km/h que é o limite no local não teria batido onde bateu. Se fosse um peão no meio da via também ia ultrapassá-lo?


(Rui Fonseca) #25

Vocês são completamente tendenciosos. Não sabem ler? Então estão a dizer que o OP sinalizou a manoba?

Eu só quero que vocês entendam que apesar de o automobilista ser culpado por ter feito uma ultrapassagem num entroncamento, da nossa parte é muito mais responsável cumprir o código, isto é:

Olhar para trás para ver se não estamos a ser ultrapassados (artigo 35.º), sinalizar a manobra com o braço (artigo 21.º), encostar ao eixo da via (artigo 44.º).

Percebem? Por acaso desta vez teve sorte que o condutor conseguiu desviar-se e foi embater numa árvore, mas poderia ter batido no ciclista, e aí não era terdes razão que vos impediria de passar o resto da vida numa cadeira de rodas.


(José Miguel Ramos Modesto) #26

E continua com a tendência na boca :joy:

Oh homem, então vamos lá por partes.

«Artigo 44.º — Mudança de direção para a esquerda

1 - O condutor que pretenda mudar de direção para a esquerda deve aproximar-se, com a necessária antecedência e o mais possível, do limite esquerdo da faixa de rodagem ou do eixo desta, consoante a via esteja afeta a um ou a ambos os sentidos de trânsito, e efetuar a manobra de modo a entrar na via que pretende tomar pelo lado destinado ao seu sentido de circulação.»

Não se aplica. O acidente aconteceu antes do ciclista realizar qualquer manobra de mudança de direcção.

«Artigo 21.º — Sinalização de manobras

1 - Quando o condutor pretender reduzir a velocidade, parar, estacionar, mudar de direção ou de via de trânsito, iniciar uma ultrapassagem ou inverter o sentido de marcha, deve assinalar com a necessária antecedência a sua intenção.»

Também não se aplica. O ciclista sinalizou a mudança de direcção. Foi nesse momento que o acidente aconteceu.

«Artigo 35.º — Disposição comum

1 - O condutor só pode efetuar as manobras de ultrapassagem, mudança de direção ou de via de trânsito, inversão do sentido de marcha e marcha atrás em local e por forma que da sua realização não resulte perigo ou embaraço para o trânsito.»

Também não se aplica… o automobilista espetou-se antes do ciclista realizar qualquer manobra referida nesse artigo.

Compreenda uma coisa… a manobra que deve ser sinalizada, é a mudança de direcção, não a aproximação ao eixo da via.

Pode explicar, qual foi o artigo que no seu entender foi desrespeito, porquê e de que forma?


(Pedro Sanches) #27

Meu caro, um condutor de um velocípede não tem de sinalizar manobras. Poderá fazê-lo por iniciativa própria se assim o entender mas não é obrigado por lei. Neste caso em concreto até era pacífico estender o braço, mas casos há em que tal não é possível. Exemplo, se for a descer uma rua e precisar de virar à esquerda ou direita. Não pode tirar as mãos dos travões para assinalar essa manobra. O mesmo se aplica caso pretenda parar. Não pode tirar as mãos dos travões para estender o braço indicando ao condutor de trás que vai parar. Daí esta questão ser facultativa.

Mais informações:


(José Maria Moura) #28

Então acha que devo ser eu a pagar o arranjo do carro? Quando explanei, era a pedir ajuda.
Já comprei um espelho retrovisor, mas o receio de ser abalroado continua presente. Até ambulâncias vejo a ultrapassar-me em lugares com traços contínuos. Mas continuarei a andar de bicicleta, apesar de sentir por vezes a minha vida em perigo.
Cumprimentos


(Nuro Carvalho) #29

Se até o @Three concorda é pq se calhar não estamos a ser tendenciosos… mas só se calhar.


(Nuro Carvalho) #30

Ah, mas sobre cumprir as regras para ter razão ou zelar pela vida e condição concordo que temos é primeiro de ter o instinto de proteção. Mas o facto de cumprirmos as regras pode não ser suficiente… há outros que não as cumprem!


(Nuro Carvalho) #31

Não. Não teve responsabilidade!


(Pedro Monteiro) #32

Aconteceu-me uma situação semelhante há uns anos de mota, ia virar à esquerda e um campeão decidiu ultrapassar nesse local.

Não tens de pagar nada, quanto muito ele é que tinha de te pagar uma indemnização pelo susto.