Capacete e ciclista urbano: usar ou não usar?

Melhor por não ser inexistente. :laughing:

1 Like

“A bicycle helmet law for Germany is found to be a waste of resources.”

2 Likes

Tantos estudos e opiniões… Dá para desenvolver toda uma nova ciência com este tópico!

Assim como assim, o uso do capacete deve de ser facultativo. A obrigatoriedade retira potenciais ciclistas (pendulares) da estrada. Por outro lado quem está a utilizar o capacete arrisca sempre mais um bocadinho. Em última análise fica na consciência de cada um utilizar ou não, cada um deve de ser responsável por si próprio. Num estudo que li anteriormente neste testamento, indica que há vários países em que o capacete não é obrigatório nas cidades e sim fora delas. Ora se no caso das motos até é compreensível, no caso das bicicletas não entendo. Fora das cidades a probabilidade de um carro “atropelar-me” é menor do que na cidade. Por outro lado e como a velocidade (dos carros) teoricamente é maior fora da cidade, a probabilidade de um capacete de bicicleta me proteger nessa situação é drasticamente reduzido; a não ser que leve um arai de moto.
Cumprimentos

1 Like

Podemos observar a questão de duas formas…

O que é exigido

O que é recomendado

Pelo que é exigido o regulamento do código da estrada é genérico e não é exigente… Ou seja não exige capacete homologado.

Pelo que é recomendado tens que observar a utilização.
Estrada, downhill, Enduro… Etc
Actividades diferentes capacetes adquados à utilização… Se pretendes capacetes mais fechados obtens melhor proteção mas vem tb o inconveniente de serem menos arejados.

Pelo código da estrada é recomendada a utilização de capacete a velocípedes.
Pelo mesmo código da estrada até ser alterado é obrigatório a utilização de capacete a velocípedes eléctricos e equiparados.
Se o regulamento vai ser aplicado e fiscalizado nem te sei responder… Fica na consciência de cada um.

Pessoalmente uso não por ser obrigatório mas como mais valia em segurança… Melhor que nada na zona da cabeça onde naturalmente a protecção é 0 e o factor risco é elevado.
A homologação de capacetes para velocípedes será contraproducente a ser regulamentado primeiro pelos preços, segundo pela utilização genérica em que os actuais desportivos cumprem a sua função para esses termos… (não compliquem).
Não me parece que exista um apacete ideal para utilização genérica (não desportiva) há muitas variantes no cunho pessoal e conforto onde se tenta não descurar a função primária que é evitar perfurações e reduzir impactos.

Actualmente os preços dos capacetes até são acessíveis a partir dos 15 euros +/- porque não usar um que gostes?

1 Like

O problema é sempre o mesmo: estraga o penteado :smiley:

Uso gel nível cimento do lidl :grin:
Funciona bem.

Boa tarde!

Quando era teenager andei muito de bicicleta. Nunca usei capacete. Depois passei uns anos pelas motos, primeiro de Trial e depois de Pista. Sempre com bons capacetes. Tinha um que era o famoso SJ, sem fivelas, tinha um mecanismo de aperto mecânico no próprio capacete, viseira inquebrável, etc.… entretanto foi retirado do mercado porque a malta morria por fratura da cervical, devido ao sistema de aperto. Entretanto deixei as motos, ainda passei uns anos pelo TT 4x4 e agora estou no BTT, sem competir, os ossos já se começam a queixar. Tenho duas bicicletas de montanha, uma elétrica e uma tradicional. Quando comecei a utilizar a bicicleta novamente nestes últimos anos, nem tinha capacete. Quando fui a Santiago, levei um comigo pois disseram-me que em Espanha era obrigatório. E de facto só utilizei o capacete em Espanha. Regressado a terras Lusas, devolvi o capacete que pedi emprestado e depois disso, quando pedalava, pensava às vezes se não devia de utilizar um capacete. Um dia estava no outlet da sportzone e tinha lá um capacete porreiro à venda por 20 euros. Pensei, é desta, vou comprá-lo. Desde essa altura que quase sempre ando com capacete. Na elétrica, que no que observo, é mais necessário o seu uso, curiosamente, é das vezes que mais me baldo em utilizar o capacete. Sobretudo para trajetos curtos. Ir ao Lidl ou tomar um cafezinho à casa dos Croissants, quase nunca levo o capacete. Isto porque vou com roupa normal, faço pouco esforço, o passeio de bicicleta não tem a mesma “liberdade” com o capacete. (tanto quanto sei até 250w de potência não é obrigatório) Já na bicicleta tradicional, em que vou sempre equipado, levo sempre o capacete. Outras vezes, na elétrica, levo o capacete apenas porque ao sair de casa me sinto culpado, do género… é melhor levar o capacete; seria triste ter capacete, não o levar e ter um acidente. (esta autocrítica é a base de todo o princípio na utilização do capacete, por isso é que discordo da obrigatoriedade de utilização de capacete)
Talvez a malta mais nova entenda as coisas de outra forma, não sei. Quando pego no capacete e olho para ele, não me inspira robustez nem grande resistência ao impacto. É duro, no contacto interior com a cabeça e pergunto-me até que ponto num impacto lateral e/ou angular, o mesmo me protegerá de um traumatismo no crânio mas não agravará um traumatismo na cervical. Isto para não falar do rosto e queixo. Bem sei que há estudos, bem sei que um capacete integral funciona melhor mas… também sei que os acidentes são uma roleta russa no que respeita a ferimentos. Entretanto mantenho a opinião de que o uso obrigatório de capacete não deve transitar em lei. Continuo a usar capacete na maioria das minhas deslocações de bicicleta. Continuo a ler os estudos e opiniões daqui da malta. Apenas não critico quem opta por utilizar sempre o capacete ou quem, pelo contrário, nunca utiliza.
Obs: O texto é longo mas, aproveitei que tinha tempo :slight_smile:

2 Likes

Lembro-me do episódio em que começaram a exigir capacetes homologados aos motociclistas em que os aspecto do homologado disponível que existia era algo do tipo Def… comparado com os a carbono xpto.
Não é o mesmo?
Felizmente não há nessecidade disso :grin: a velocidade, massa, inércia são diferentes nos velocípedes.

1 Like

Na altura em que saiu a homologação, só uns quantos capacetes é que não foram abrangidos. Eu, além do SJ tinha um Arai e um Shoei, todos homologados (incluindo o SJ). Eram leves e extremamente confortáveis, mas para utilizar em moto. Nunca para bibicleta :slight_smile: Os Def que referes não conheço, mas já há 15 anos que não pego numa moto, de forma regular. Tanto quanto me recordo a homologação não incidia na estética, abrangia mais o tipo de materiais utilizados na construção, a sua resistência ao impacto, a forma como a viseira quebrava, o tipo de aperto no pescoço, etc… tanto a Shoei como a Arai estavam dentro da homologação.

1 Like