Capacete e ciclista urbano: usar ou não usar?


(José Miguel Ramos Modesto) #350

Que é que tem a velocidade?


(Herculano Rebordao) #351

Portanto se um carro mata retira-se o carro do mercado porque tem defeito!


(Three) #352

Exacto, neste caso retira-se o factor que causou a morte, seja o condutor ou alguma causa mecãnica


(Three) #353

Ainda não percebi se está a gozar comigo ou se simplesmente não consegue atingir…!

Ora os danos de um impacto no corpo humano dependem evidentemente da força desse impacto, que por sua vez depende de forma directa da velocidade de impacto de um hipotético objecto no corpo humano. Ora os capacetes são construídos com materiais que proporcionam um amortecimento do impacto e consequentemente uma redução do risco de traumatismo sendo dimensionados para a massa em movimento (corpo humano) e para a velocidade a que se desloca. Por isso os capacetes para motociclos possuem outras características adaptadas às velocidades praticadas. Isto são princípios básicos e não se coadunam com birrinhas de teenagers rebeldes que protestam com recurso a argumentos que nem compreendem.


(Alexandre Climber) #354

Idem “” para a bicicleta :wink:


(José Miguel Ramos Modesto) #355

Um ciclista utilitário circula em média a 20 km/h… alguns talvez a 15. Acha que é assim tão significativo e perigoso?


(Pedro Sequeira) #356

Assim o Three não dá hipótese, é claro que ele vai dizer que acha ^^

Mas felizmente há ai estatistica que mostram a probabilidade de fazer traumatismos cranianos de bicicleta, a pé ou em carros (por km percorrido salvo erro), e assim sim o argumento dos capacetes nos ciclistas mas não nos peões ou automobilistas cai por terra


(Pedro Sanches) #357

Sim, em caso de impacto da nuca, lateral ou topo da cabeça o capacete pode proteger. E então? Continuo a não querer usar o capacete nas minhas deslocações diárias. Posso?


(João Pedro Abranches Freire) #358

Deve estar a gozar?

No ciclismo urbano há muito boa gente a circular a mais de 40 km/h


(Herculano Rebordao) #359

Pois não devia. A minha média de 5 anos é 14,7 km/h.


(Bernardo Nuno de Henriques Lebre de Campos Pereira) #360

Grande confusão entre MAMIL’s* e utilizadores de bicicleta normais. Como refere o Lisbon Cycle Chic: “Será assim tão difícil perceber que são coisas distintas?”


(José Miguel Ramos Modesto) #361

Lool, sim, estou a gozar. Vejo com cada ciclista a mandar cada bujarda, caraças, até borracha queimam!


(João Pedro Abranches Freire) #362

O meu filho aos 7 anos anda a 15 km/h em terreno plano, não está à espera que acredite que anda apenas a essa velocidade…

Eu diariamente vario entre os 4.5 e os 60 km/h caso não esteja a chover…


(Herculano Rebordao) #363

A 60 km/h deve usar capacete. Nestes 5 anos andei cerca de 12000km e a minha média é efectivamente esta: 14,7 km/h. Claro que a descer chego a 30/40 km/h. Mas se for na ciclovia vou muito mais devagar.
E é por isso que não preciso de capacete.


(João Pedro Abranches Freire) #364

O que interessa não é a velocidade média mas sim a velocidade que se consegue atingir e os danos que podem ser provocados caso se caia a essa velocidade…


(Bernardo Nuno de Henriques Lebre de Campos Pereira) #365

Já ultrapassam todos os carros sem qualquer esforço ou espirito de competição. Velocidade, parolices e chapéu de plástico não entram no léxico destes utilizadores do dia-a-dia.

Imagens: Lisbon Cycle Chic


(jose fernando da silva neves) #367

Ao que me parece a questão é se alguém pode obrigar outro a fazer o que ele manda. Não, não pode ao nível pessoal. Mas o governo pode? O governante faz cumprir a legislação vigente aprovada na câmara. O governo deve zelar pelo bem publico e as leis são feitas pensando-se em evitar despesas com medidas de prevenção ou, ao menos, redutoras de danos. Assim, por ex., é proibido falar ao celular e dirigir, o cinto de segurança é obrigatório aos ocupantes do veiculo, na fabrica o operário é obrigado a usar capacete e óculos de segurança, no brasil o governo esta exigindo que as indústrias alimentícias diminuam o sal, etc… porque o acidentado, ou o enfermo vai causar despesas evitaveis ao ministério da saúde, ao ministério da previdência e ao ministério da justiça, prejudicando outros cidadãos que cumprem as leis. Minha opinião pessoal é apenas opinião e é geralmente mais emotiva que técnica. O capacete para o ciclista tem sua utilidade, dentro de parâmetros técnicos determinados por profissionais da área cabendo a assembleia decidir as regras de acordo com esses dados. posso lutar por minhas ideias sem desrespeitar com piadas de mau gosto ou ofensas o que pensa diferente, mas mostrando ao deputado ou vereador minha opiniao.


(Manuel Reis Jorge) #368

O eterno problema do capacete…
Por mim, deixar ao criterio de cada um.


(José Miguel Ramos Modesto) #369

A questão é estar cientificamente comprovado, sendo uma questão já bem estudada, que os efeitos negativos de uma lei que obrigue ao uso do capacete supera os seus efeitos positivos. É por isso que em praticamente nenhum lado do Mundo ela é aplicada e, frequentemente onde foi aplicada, mais tarde foi removida. Não se fazem as coisas por acaso.


(jose fernando da silva neves) #370

muito bem, ideias se debate com ideias. cada um expoe seus argumentos e os
tecnicos do assunto dao seu laudo cientifico.
grato