Conselhos sobre escolhas para uma electrica

amadora
Etiquetas: #<Tag:0x00007f52c1bb6870>

(Paulo Ans) #1

Ora vamos lá ver se consigo apresentar todas as minhas duvidas num sitio só.
Tenho uma distância de ~6 km por dia, (se for de bicicleta) que faço 4X por dia, já que almoço em casa. (Actualmente, faço 12 km 4X, já que a volta de carro é o dobro…)
Sabendo que a parte má, são ~3 km com uma inclinação média de 3º, mas para compensar as zonas planas, há amiúde, umas subidas com ~6º… e são essas que doem.
Para quem conhece, a deslocação será da Damaia para o Alto da Mira, no topo da IC16. Moro mesmo lá em cima…

  1. Potência e Autonomia
    Ou seja, para um percurso de ~6 km diários em que preciso de assistência eléctrica, para um peso de 73 kg + bicicleta, qual será a potência ideal e autonomia (hA)?

2)Formato de bicicleta
A)Vou testar a dobrável da decatlhon, no percurso, mas não gostei da posição de condução a seu favor só o facto de ser dobrável. A autonomia de 25 km pode ser curto… mas tenho várias oportunidades para carregar a bateria durante o dia.

B)Estive também a ver esta


Mas que acho feia, mas tão feia… que até nem ponderei sequer a testar.

C)por fim


que apesar de ser de quadro baixo, e por isso categorizada como de “senhora”, é para o lado que durmo melhor. Pouco me aquenta, ou me arrefenta, a opinião de outros sobre o tipo de bicla e o eventual género associado.

As opção C, com o volante à pasteleira (não sei o termo técnico para a coisa) torna a condução mais descontraída e confortável… confirma-se?

  1. Tipo de Baterias
    Li algures, não me lembro onde, que as baterias da Decathlon são carregadas com uma ficha proprietária que só se podem comprar carregadores na loja…
    Há assim uma variedade muito grande de formatos de carregamento? Cada marca tem o seu? Há algum formato universal?

  2. Orçamento
    Como podem ver pelas escolhas acima, o orçamento é brutalmente limitado. E a única razão porque consigo sequer ponderar esta situação é por ter a possibilidade de ser 12X sem juros (campanha da Decathlon). Aceitam-se sugestões neste intervalo.

5)Alternativas a lojas
Estive a ver a SportZone, e tem uma campanha de 10X sem juros, mas também não encontro bicicletas eléctricas para venda. se souberes de alguma loja que permita comprar sem juros, também agradeço desde já a informação.

6)Exclusões
Apesar de achar muita piada, como exercicio de estilo, não me estou a ver usar uma tipo fat-byke. Para gordo já basto eu. hehehe e os preços são proibitivos. Sei que hove (há?) umas campanhas para bicicletas XPTO com pneus largos e baratas, mas desconfio sempre um bocado quando a esmola parece ser muito grande.

enfim… há coisas que ainda vou ter de perguntar, mas para já não quero aborrecer-vos mais e o meu obrigado a quem conseguiu ler até aqui.


Apresentação e pedido de ajuda
(Pedro Sanches) #2

Olá @pauloans,

Vou tentar dar uma ajuda. Não conheço muito bem o mercado das eléctricas. Há coisa de dois anos comprei uma para a minha mulher e o orçamento também era limitado. Por essa razão, também fui para uma da Decathlon. Na altura optei pela topo de gama deles que estava em promoção e custou-nos 1200€ (é esta https://www.decathlon.pt/bicicleta-eletrica-elops-900-id_8300083.html).

É um quadro aberto. Actualmente associa-se a ser de senhora mas isso é errado. Por mim, não ligues muito a esse estereotipo.

A nossa deslocação casa-trabalho é de 10 km, pelo que por dia são 20 km (ir e vir). A bateria é carregada diariamente em casa durante a noite. Sem preocupações, a bateria faz uma viagem e meia e mais uns pozinhos (~35 km). Bem gerida, dará para dois dias (40 km). Com uma gestão mais eficiente da bateria, talvez dure mais uns km. Mas a minha senhora ia sempre com aquilo na ajuda máxima. Ela pesa qualquer coisa como 70 kg e como é alta o quadro é um L. A bicicleta é grande e pesada (~+20 kg).

O nosso trajecto também tem muita subida. Umas vezes é por dentro de Monsanto, outras é subir a Infante Santo. Os dias bons é subir a Av. da Liberdade. Por este motivo, a autonomia também é mais curta.

Espero que ajude. Para o teu caso, e dado que não gostaste da posição da dobrável, optaria pela última. Garante é que investes num bom cadeado ou. se conseguires, guarda-a onde a possas ter debaixo de olho ou numa arrecadação. A minha esposa, por exemplo, deixa-a na garagem do emprego. É espaço aberto mas só tem acesso o pessoal da empresa.

Espero que isto ajude.

Um abraço


(Paulo Ans) #3

Ajudou imenso.
Cada testemunho tem tanto de raro como de precioso.
Estou-me absolutamente nas tintas para o quadro e opiniões ideológicas hehehe, sei que as de quadro aberto são, de longe, as mais confortáveis, só não irei para uma, se me sentir confortável com outras… (estou habituado a uma pseudo-btt com mais de 20 anos)
Nestes dois anos viram a bateria reduzir a sua capacidade de utilização?
Planeio comprar um bom cadeado, porque apesar de ter sitio para a guardar, de certeza que irá ser parqueada uma vez por outra no parque de estacionamento de um shopping.
Já precisaram de alguma assistência na marca? Se sim, como correu?


(Pedro Sanches) #4

Eu também comecei estas andanças citadinas com a minha GT de 1998. Ao longo dos anos fui adaptando ao uso diário. A posição de condução é o aspecto mais gritante. Estes quadros de BTT XC antigos têm posições muito agressivas. Aos poucos fui subindo a frente para ficar mais confortável mas ainda assim, está longe da posição vertical destas de quadro aberto.

Pessoalmente, não gosto muito dessas geometrias muito verticais. O esforço é praticamente feito pelas pernas e há pouco espaço para o uso do tronco (face a uma bicicleta onde vás menos vertical). A mim, faz-me confusão mas como tudo, trata-se de uma questão de gosto pessoal. Experimenta.

Quanto à capacidade da bateria, a resposta é não. Não notamos grande diferença nos ~2700 km que a bicicleta tem.

Já precisámos de ir três vezes à Decathlon. Numa delas, foi o estriado do guiador onde aperta o avanço ajustável que ficou moído e o guiador rodava. Trocaram sem custos.

Noutra, deixou de trabalhar simplesmente porque se desligou uma ficha com a trepidação a descer a Av. da Liberdade (aquele antro de crateras). Foi para lá, depuraram o problema e resolveram, Não voltou a acontecer.

A terceira, foi um furo no pneu de trás. Com a quantidade de plásticos, cabos e fios, desisti ao fim de 30 minutos a tentar reparar aquilo. O ideal seria tentar remendar mas era uma snake bite e a melhor solução seria substituir a câmara de ar. Não tive para me chatear e levei a bike à loja.

De resto, tudo normal. Estamos a gostar da bicicleta. Já fizemos também uma viagem de cicloturismo até ali à zona do Carvalhal a seguir à Comporta, a sul de Tróia. Apanhámos uma estrada má de terra batida e ela portou-se muito bem. A viagem correu bem e até pedi a moça em casamento lá no sítio, vê tu bem. :smiley: Se ela não tivesse a eléctrica, provavelmente não tínhamos ido e hoje ainda estava solteiro. eheh


(Paulo Ans) #5

hahahahahaha
que texto delicioso
Os meus parabéns pelo casório
Fico mais descansado quanto à durabilidade e resistência
desconfio sempre das opiniões nos sites oficiais
A Amadora está sempre em obras, mas nunca para incluir ciclovias, por isso sei bem como é andar a fugir da exploração petrolífera urbana.
Esta semana ainda não, mas para a próxima devo testar uma das que estão nos links.
Não tinha pensado na questão da força na posição mais vertical… algo a considerar, já que não gosto de empurrar bicicletas à mão… hehehe


(Manuel Costa Henriques) #6

Vais gostar desta Bicicleta electrica http://budnitzbicycles.com/bicycles/view/titanium-ebike pena e’ os 9000 euros!


(Ricardo Robles) #7

Olá @pauloans,
andava à procura de opiniões acerca de bicicletas elétricas e deparei-me com este tópico e o engraçado é que o meu problema é exatamente igual ao seu.
Moro também no Alto da Mira e tenho 6 kms de percurso até ao trabalho, no meu caso Pontinha.

Tenho uma dobrável Hoptown 5 e a verdade é que custa bastante fazer a subida desde o Bairro do Bosque até casa pelo que faço só uma viagem de bicicleta (a parte que custa menos) que é a descer :slight_smile:
Por uma questão de custos também andava a ver a Elops 500E e gostaria de saber se sempre avançou para a compra da elétrica e se poderia dar um feedback da mesma.

Obrigado


(Paulo Ans) #8

Vivas
Essa subida dá-me cabo do juízo.

Sinceramente, a volta do Bairro do Bosque, a descer é um mimo, 9 minutos desde o Alto da mira, até às portas de benfica, e ainda parei na bomba da BP dos moinhos da funcheira para meter ar nos pneus…
lá está… a descer é um mimo…
a subir, um pesadelo, o vento deu-me cabo da moleirinha, especialmente na zona da antiga lixeira e actual parque da boba.
Não cheguei a testar a Elops 500E, mas gostei imenso dela na loja.
Como vou almoçar a casa à hora de almoço, e depois ainda levo a miúda à escola, tive de adiar novamente a ideia. A bicicleta não me permite esses pequenos luxos.
Uma certa instabilidade laboral no que toca a local de trabalho, e a recuperação cirúrgica demorada atrasou-me tudo também.
Neste momento estou desejoso de a experimentar, mas seria apenas para a utilizar umas semanas por ano, o que no meu caso, estraga o investimento todo.
Mesmo com uma electrica, a seguir à rotunda dos bombeiros, viria por dentro do parque. Acho a estrada da mira muito perigosa (a subir). No entanto, acho que a ELOPS 500 deve dar conta do recado. Porque não a pedes emprestada durante uns dias (e depois dizes qqc)


(Nuro Carvalho) #9

Review da minha eléctrica:


(Cláudio Coelho) #10

Olá a todos!

Nada melhor do que experimentar as bicicletas da Decathlon, por exemplo. Temos 48h para testar e assim deixa de ter dúvidas.
Se me permite uma sugestão, experimente também uma bicicleta de ciclismo. :wink:


(Ricardo Robles) #11

Bom dia, retornando a este tópico só quero dizer que já fiz o teste à bicicleta elétrica da Decathlon.
Para começar a burocracia para aluguer/testar uma bicicleta deles é super simples e o pessoal é bastante simpático, não colocando nenhuma condição e fazendo uma verificação dos sistemas da dita e fazem os ajustes para o tester ter as melhores condições possíveis, 5 estrelas.

A bicicleta que eles tinham para teste era a Elops 900E (eu queria a 500E) pois era essa que estava interessado em adquirir pelo seu preço e já sabia que se gostasse da 900E já não queria a 500E :slight_smile: )

Na realidade e como estava à espera a bicicleta para o percurso que pretendo fazer é uma excelente companheira. Logo quando cheguei à minha zona de residência comecei a ir para subidas para testar o sistema e verifiquei que não é necessário usar o nível mais potente (3) para fazer uma subida íngreme. Basta o nível 2 e uma mudança baixa e lá vai ela.
No teste da deslocação casa-trabalho-casa posso dizer que de casa (Moinhos da funcheira-Amadora) ao trabalho (Pontinha) gastei 2% da bateria mas poderia não ter gasto nada pois o percurso é praticamente plano e levei cerca de 16 min (de carro levo aí uns 10 min).
Se para um lado é a descer para o outro é a subir mas com o sistema elétrico cheguei a casa sem uma pinga de suor e em 22 min e gastei 15% da bateria o que acho que é muito bom.
Gostei do LCD digital que mostra o número de kms que a bateria faz no modo em que estamos simplificando a vida na altura de saber se aquele resto de carga vai deixar-nos a meio da subida ou não.

O ponto mais chato é ter de transportar 25 kg até um 3º andar sem elevador. a bicicleta é pesada principalmente na roda traseira (compreende-se), ainda por cima habituado a carregar uma hoptown 500 de 13 kg :slight_smile:

A viagem de entrega foi entre a Pontinha e a Decathlon feita via Av.Uruguai-Estação de Benfica-Buraca-Decathlon e levei cerca de 20 minutos deixando a menina ainda com 55% de carga.

Conclusão: Adorei o teste, uma bicicleta elétrica serviria na perfeição para a deslocação quotidiana, só preciso de abrir os cordões à bolsa e acima de tudo, mentalizar-me que daí em diante é para usar a bicicleta faça frio ou sol, chuva ou trovoada pois o objetivo seria a breve prazo desfazer-me de um carro.

Obrigado a todos


(Manuel Reis Jorge) #12

Na realidade, quando a assistencia funciona, envia sempre toda a potencia 250W para este modelo. Quando atinge uma velocidade (na posição eco 10km/h, normal 20, e sport 25kmh), a assistencia pára.