Ferrovia em Portugal


(Nuro Carvalho) #1


(José Miguel Ramos Modesto) #2

Portugal anda sempre umas quantas décadas atrás dos seus parceiros europeus e nunca ninguém parece saber porquê. Ao fim ao cabo, parece que não vivemos em nenhuma comunidade europeia e os decisores de diferentes países não têm hipótese de partilhar experiências, de partilhar ideias, e de articular projectos para o futuro.

Dito isto, este artigo causa-me alguma estranheza e não sei em derivado de que contexto é que ele surge. A ferrovia entre Sines e Madrid está a avançar e é em bitola europeia.


(Nuro Carvalho) #3

Pelo PDF http://static.publico.pt/DOCS/Economia/manifestoferrovia.pdf
parace que não é bem assim…


(Three) #4

O sistema de comunicações em GSM-R começou ser instalado há uns anos mas foi suspenso pelo governo anterior. De qq forma não é uma componente crítica. No prazo de 1-2 anos todo a rede ficaria pronta se necessário. Quanto à via, o projecto é em bitola europeia. Aliás nem se percebe tanto alarido. É relativamente simples adaptar a bitola ibérica (mais larga) à europeia colocando um terceiro carril. O problema real é com o material circulante. Vagões e locomotivas de bitola ibérica não se convertem em bitola europeia facilmente.

Neste exemplo verifica-se como se pode adicionar a bitola europeia a uma via com bitola ibérica pela adição de um terceiro carril mantendo toda a restante infraestrutura. Portanto relativamente à via este é um não problema. O verdadeiro problema surge quando as decisões políticas e orçamentais são tomadas por ignorantes com amigos à procura de dinheiro fácil.


(Pedro Sanches) #5

Gostava de ver um gif deste género para a situação da ferrovia em Portugal.


(Nuro Carvalho) #6

no museu ferroviário no entroncamento tens um mapa que não sendo uma animação mas que tem luzinhas e as estações e linhas te mostra as que estavam ativas consoante os botões que vais carregando dos anos, e sim, tem sido quase sempre a reduzir desde há muitas décadas…


(José Miguel Ramos Modesto) #7

Há por aí uns gajos (até aqui neste fórum) que chamam a isso de progresso. Agora a malta que antes ia de comboio, pode ir de carro! As linhas de comboio retiradas dali deixam muito mais espaço para estradas e parques de estacionamento.


(Three) #8

(Pedro Sanches) #9

Obrigado, @Three. Vou ver com atenção.


(Pedro Sanches) #10

Portanto, a desgraça-mor começou no final dos anos 1980, início dos anos 1990. I wonder why…


(Aónio Eliphis) #11

Este é o melhor texto sobre a temática :wink:

https://www.veraveritas.eu/2014/04/ferrovia-ou-rodovia.html


(Aónio Eliphis) #12

@Three
Como os autores referem, na maioria das linhas antigas, o próprio traçado não permite maiores velocidades devido à inclinação e curvatura, logo, simplesmente adicionar um carril não é solução.


(João Almeida) #13

(João Almeida) #14

Aveiro e a mobilidade sustentável de facto não combinam.

“Este troço é o único no país com os mesmo materiais desde que foi inaugurado em…1914”


(João Almeida) #15

Só mesmo a indústria automóvel para fazer desenvolver a ferrovia.

“A indústria automóvel é um dos eixos com peso neste contexto.”

http://www.terranova.pt/noticia/economia/rede-iberica-quer-ligacao-aveiro-salamanca-no-topo-dos-investimentos-prioritarios


(Three) #16

Portanto já não serve? És como os comunas, se a ideia não for deles já não serve mesmo que seja a mesma!


(João Almeida) #17

@Three não vou responder a intervenções inúteis da tua parte. Se quiseres aparece em Aveiro para darmos uma volta de bike. Por favor, vem de comboio.


(João Almeida) #18

Palavras de quem desmantelou a ferrovia em Portugal.


(Three) #19

Vindo do gajo que vendeu o pais aos retalhos com a ajuda do lacaio PPC e suprimiu abonos de família excepto aos ciganos!


(João Almeida) #20

"A ligação ferroviária Aveiro – Salamanca – Burgos é considerada “promordial” para o futuro das empresas do sector automóvel.

A Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel (AFIA) emitiu um comunicado a lamentar que o Governo tarde em lançar o projeto, que tem sido preterido nos investimentos.

A indústria automóvel representa 20% das exportações de bens transaccionáveis de Portugal, tendo-se tornado um sector industrial absolutamente vital e insubstituível para a nossa economia."

http://www.noticiasdeaveiro.pt/pt/48925/exigidas-verbas-para-ferrovia-entre-aveiro-e-salamanca/